O que o Bradesco vem aprendendo com o ecossistema de startups

Buscar

O que o Bradesco vem aprendendo com o ecossistema de startups

Buscar
Publicidade

Marketing

O que o Bradesco vem aprendendo com o ecossistema de startups

Fernando Freitas, superintendente de inovação do banco, fala sobre as experiências do Habitat e o futuro das fintechs no Brasil


14 de setembro de 2018 - 9h01

Criado em fevereiro deste ano, o inovaBra Habitat, espaço de coinovação e geração de negócios de alto impacto, foi uma extensão do conceito de inovação que o Bradesco já vinha trabalhando nos últimos anos. A premissa inicial era conectar startups que tivessem negócios que atendessem às necessidades de transformação do banco.

Este processo, no entanto, tomou outras proporções e, atualmente, o Habitat, em parceria com o WeWork, recebe mais de 60 empresas e centenas de startups tendo como premissa não só a aproximação do Bradesco com o ecossistema de inovação, mas o fomento à inovação e à entrada de outras grandes empresas neste ecossistema.

“No mundo bancário, as startups têm uma camada muito interessante da boa experiência. Só que a indústria financeira é muito mais complexa que só a entrega da experiência”, afirma Fernando Freitas, superintende de inovação do Bradesco. Em entrevista, ele também fala sobre como o banco vem aprendendo com o ecossistema de inovação.

Além de um coworking…
Já existia um conceito bastante formatado de que um espaço que tivesse densidade de pessoas e gente pensando projetos inovadores era algo interessante. E isso já vinha se consolidando no Brasil e no mundo. Aqui no Brasil, especificamente, tínhamos exemplos como Cubo, espaços de inovação em Florianópolis e outros ambientes. O que tínhamos dúvida, no entanto, era se haveria densidade de fazer a promoção da inovação do banco e também a geração de negócios na prática. O que nós conseguimos entender foi que ter algo mais do que um coworking é válido e agrega valor.

 

Fernando Freitas: “No mundo bancário, as startups têm uma camada muito interessante da boa experiência” (Crédito: Divulgação)

Diferentes níveis de maturidade…
Nesses oito meses, cada uma das 60 grandes empresas que passaram pelo Habitat tem um tipo de maturidade em termos de trabalhar com startups. A gente observa empresas muito maduras que entenderam que parte do negócio delas é se transformar em plataforma e que, com isso, dependerão de soluções externas. E tem outras empresas tentando entender como esse mundo funciona e como trabalhar com startups.

Transformação digital…
A transformação digital passa por cinco grandes camadas: estratégia, propósito, processos, metodologia e pessoas. Por isso que é sempre uma jornada, não um processo estanque. Você vem da mudança do propósito, da estratégia, dos processos e metodologia, que é onde todo mundo está mais focado hoje na mudança na forma de trabalhar. As empresas, antes, trabalhavam no modelo de cascata onde a área de negócios e a de tecnologia eram apartadas. E a forma hoje de trabalhar praticamente de todas as grandes empresas é de trabalhar com times pequenos, multidisciplinares e em cima de uma jornada que atenda à necessidade do cliente. Essa é uma jornada longa por que você vai mudar todo o conceito dessas empresas na forma de pensar e de entregar valor.

 

Habitat foi inaugurado em fevereiro deste ano em uma parceria com a WeWork (Crédito: Divulgação)

O envolvimento do C-level…
Dos casos que temos atualmente a situação mais comum é: a grande empresa é vencedora e o board da empresa foi vencedor. Logo, no momento em que você precisa fazer a transformação e mudar a estratégia, pode ter enormes barreiras para que isso aconteça. Toda grande empresa passa por isso. Então requer da liderança entender que há necessidades de ter uma nova forma de pensar e não se apegar aos modelos de negócio que foram vencedores no passado. A transformação digital passa necessariamente pela camada executiva das empresas.

A aproximação às fintechs…
No mundo bancário, as startups têm uma camada muito interessante da boa experiência. Elas estão focadas em entregar uma boa experiência. Só que a indústria financeira é muito mais complexa que só a entrega da experiência. Nos últimos quatro anos, esse setor vem demonstrando que há cada vez mais complementaridade ao que os bancos entregam e ao que as fintechs entregam. A gente entende que no Brasil particularmente vai se dar um modelo de “coopetição, algumas empresas que vão tentar competir com os serviços bancários tradicionais e outras fintechs que vão cooperar com os bancos dentro da cadeia de valor entregando novos produtos e serviços financeiros. A gente acredita que esse modelo de coopetição será o modelo vigente no Brasil pelo que temos acompanhado.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele