Marcas devem investir mais em marketing de influência em 2024

Buscar

Marcas devem investir mais em marketing de influência em 2024

Buscar
Publicidade

Mídia

Marcas devem investir mais em marketing de influência em 2024

A Influency.me ouviu marcas, agências e influenciadores e apresenta pesquisa sobre o estado atual do segmento e tendências para 2024

Fill out the form below to send a message:


28 de novembro de 2023 - 15h18

O marketing de influência é uma estratégia que vem sendo cada vez mais adotada pelos anunciantes, e que deve continuar crescendo no ano que vem. É o que indica a pesquisa Dados e insights de Influencer Marketing no Brasil para 2024, produzida pela Influency.me, empresa brasileira especializada em Marketing de Influência.

marketing de influência

(Créditos: George Milton/ Pexels)

O levantamento ouviu mais de 300 respondentes, entre influenciadores, agências, assessores e marcas. Dos anunciantes consultados, 68% pretendem aumentar investimento com marketing de influência, contra 29% que deverão mantê-lo e apenas 3% que disseram diminuir.

Anteriormente, em 2022, mais da metade (54%) disse ter investido no segmento. Entre as que não investiram, a justificativa é a preferência por outras formas de mídia, falta de budget e experiências ruins no passado. A Influency.me chama atenção para o fato de que o marketing de influência é capaz de resolver problemas que o Google Ads, por exemplo, não consegue. A companhia destaca, ainda, humanização, branding e confiança do público-alvo como sendo alguns desses fatores.

O estudo revela que há uma maior frequência de contratação de influenciadores micro e meso, aqueles que têm entre 10 mil e 500 mil seguidores. Entre os motivos, está o fato de que influenciadores maiores cobram valores mais altos. Ademais, a taxa de engajamento de perfis menores geralmente é maior.

Entre os desafios destacados pelas marcas destaca-se a busca pelo influenciador ideal, com 69%. Na sequência aparece a geração de bons resultados (48%) e a coleta de métricas (42%). Os obstáculos, segundo a empresa, estão diretamente relacionados ao não uso de um software especializado, que pode automatizar tais processos.

Das marcas que contratam influenciadores, 82% responderam que recortaram as personalidades em todos os meses em 2023, contra 59% em 2022, indicando um aumento da recorrência.

No geral, elas se preocupam com a capilaridade das ações e com a construção de campanhas com um maior número de perfis — a maior dos anunciantes (38%) trabalha com 6 a 10 perfis de influencers. 61% das companhias afirmaram procurar contratar o influenciador novamente, enquanto 32% preferem manter contratos de longo prazo.

Parcerias estratégicas no marketing de influência

Metade das marcas consultadas pela Influency.me disseram que gerenciam a estratégia de marketing de influência internamente, com profissionais compartilhados, que também executam outras funções. Ao mesmo tempo, 18% gerenciam externamente, contratando uma agência especializada.

Entre as agências, 72% das entrevistadas investiram em marketing de influência em 2022. As razões indicam awareness (42%), branding (30%), conversão – entre vendas, downloads e cliques (28%). Das agências que não investiram na estratégia ano passado, 73% não possuem uma frente específica para atrair demanda.

Para o ano seguinte, 82% das agências recomendarão que clientes aumentem investimentos, contra 18% preferem manter como está.

O lado dos influenciadores

De acordo com o levantamento, 60% dos influenciadores levam em conta a afinidade com valor de marcas para fechar parcerias. Eles citam também a liberdade para criar conteúdo (22%) e a aderência do público (18%).

Para a amostra, o Instagram é a melhor plataforma em algoritmos (53%). Ademais, 100% das marcas ativam na plataforma, a qual a pesquisa classifica como “rede coringa”. Os anunciantes também estão presentes no TikTok, com 60%. O número representa um aumento da adesão à rede social de vídeos curtos em relação a 2022. O YouTube aparece com 41% de ativações.

Em relação a monetização, o YouTube se destaca com 28%, seguido do TikTok (27%) e Instagram (24%).

Já entre os assessores, 18% atuam sozinhos no agenciamento de influencers. A maioria (82%) faz parte de uma agência. 27% dos assessores afirmam que cuidam, sozinhos, das parcerias de apenas um influenciador. Enquanto isso, mais da metade (52%) revelaram que cuidam das parcerias de 2 a 5 influenciadores.

Eles são importantes aliados no trabalho da produção de conteúdo. Enquanto 63% dos assessores afirmam que acompanham a produção para que o resultado entregue seja o melhor, 95% deles estão abertos a negociar valores e entregas para firmar uma parceria, por exemplo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Plataforma de anúncios da Apple desembarca no Brasil

    Plataforma de anúncios da Apple desembarca no Brasil

    Apple Search Ads possibilita que desenvolvedores anunciem seus aplicativos na App Store por meio de quatro formatos

  • Com Semana do Cinema, setor tenta atrair público para as salas

    Com Semana do Cinema, setor tenta atrair público para as salas

    Até o dia 28, salas de todo o País terão ingresso promocional pelo valor de R$ 12