Karla Felmanas: o poder da influência na indústria farmacêutica

Buscar
Publicidade

Perfil

Karla Felmanas: o poder da influência na indústria farmacêutica

A vice-presidente da Cimed surpreendeu o segmento e a família ao assumir a liderança da empresa e se tornar uma grande influenciadora


20 de março de 2024 - 9h47

Karla Marques Felmanas é vice-presidente da farmacêutica Cimed (Crédito: Arthur Nobre)

Karla Marques Felmanas tinha tudo para ser uma executiva tradicional de uma grande farmacêutica familiar. No entanto, a vice-presidente da Cimed, hoje considerada a quarta maior indústria do segmento no Brasil, é o oposto do esperado para sua posição. Extrovertida, ela tem conversas constantes sobre sua vida pessoal dentro e fora da companhia. Não à toa, seus mais de 1 milhão de seguidores no Instagram e 755 mil no TikTok acompanham diariamente sua rotina como mãe de três filhos, liderança, influenciadora digital e, agora, escritora. 

Isto porque a influência do estilo de vida de Karla sobre as pessoas é tamanha que “Oi, Tchurma”, seu primeiro livro, foi escrito e publicado para ser uma ampliação desse espaço de troca com a audiência conquistada por ela nas redes sociais. Na obra, lançada em fevereiro, a executiva reflete sobre maternidade, carreira, família, sexo, amizade e o significado de fé em sua vida. 

Engana-se, no entanto, quem pensa que ela alcança apenas o público feminino mais maduro. Karla tem atingido cada vez mais crianças e adolescentes, em um movimento que reflete a própria estratégia do Grupo Cimed por meio do Carmed, marca de hidratantes labiais da farmacêutica que tem bombado entre as novas gerações.Meus seguidores têm entre 3 e 70 anos de idade. Está uma loucura, mas não vou parar de falar dos assuntos de que falo. Agora, mães e filhas me acompanham. É muito bacana ser inspiração para uma moçada tão nova. 

Mas nem só de influência vive Karla. Embora tenha ficado mais conhecida após ser uma das influenciadoras por trás dessa febre gerada nas redes sociais pelas parcerias recentes do Carmed, a VP diz ter batalhado muito contra si mesma e algumas convicções de sua família até chegar à cadeira em que hoje senta. “Não ganhei nada de mão beijada, tive que correr muito atrás.”

Apesar dos percalços, todos os seus movimentos têm dado certo. O Carmed atingiu um market share de 73,6% em fevereiro, de acordo com informações obtidas pela Forbes. Há mais de um ano, a marca investiu em uma parceria com a empresa de balas Fini e lançou o Carmed Fini, que com sua viralização digital movimentou quase R$ 190 milhões, alavancando a categoria de hidratantes labiais no Brasil em 90%. 

Depois, em 2023, a farmacêutica seguiu com as parcerias e lançou o Carmed BFF, que teve como influenciadoras duas melhores amigas, as atrizes Maisa e Larissa Manoela. Como resultado, foram vendidas 22 milhões de unidades de Carmed naquele ano. Agora, em 2024, a estratégia segue com as parcerias: com o Carmed Barbie, lançado em março com a Mattel, a empresa comemora os 65 anos da criação da boneca, para o qual Karla já tem fotos e vídeos ao lado do produto. 

Karla: “Não ganhei nada de mão beijada, tive que correr muito atrás” (Crédito: Arthur Nobre)

O segredo para tanto sucesso, segundo a executiva, é manter a estratégia do pai, João de Castro Marques, que fundou o Grupo Cimed em 1977 — mantendo o legado do pai, que constituiu o laboratório Prata nos anos 1950 — e faleceu recentemente, em 2022, deixando a liderança da empresa para ela e João Adibe, seu irmão e atual CEO da companhia.  

“Não adianta reinventar a roda. Precisamos desenvolver produtos que os consumidores precisem ou queiram. Para isso, temos de saber o que eles desejam. Além disso, para que nosso produto chegue às pessoas, nosso cliente do ponto de venda deve estar fortalecido. Hoje, trabalhamos com cerca de 90 mil, então nosso fluxo é grande, mas muito próximo. Eles sempre vendem todos os produtos porque nosso foco é entrar o máximo possível no ecossistema deles para ajudarmos da melhor maneira.” 

Pela história de Karla, no entanto, o segredo parece estar também na ousadia da executiva. Ela tornou a marca da farmacêutica mais próxima e interessante para os jovens por meio de uma estratégia certeira de produto, mas foi ainda mais cirúrgica: apostou no marketing de influência para além da Larissa e Manoela, tornando-se, ela mesma, uma influenciadora que fala de Carmed, mas de todo o seu estilo de vida e carreira com um pano de fundo em comum, o Grupo Cimed.  

Ponto para a executiva, que, única grande liderança feminina da família na companhia até então, mostra com constância e consistência que sensibilidade, empatia, firmeza e um pouco de redes sociais são importantes para qualquer executivo nos tempos atuais e humaniza até os negócios de indústrias mais tradicionais. 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Heloisa Santana: a liderança que guia o live marketing no Brasil 

    Heloisa Santana: a liderança que guia o live marketing no Brasil 

    A presidente executiva da Ampro fala sobre liderança, premiações, ESG, diversidade e a lei do Perse 

  • Marta Celestino, a CEO da primeira escola de inglês com cultura negra

    Marta Celestino, a CEO da primeira escola de inglês com cultura negra

    A executiva da Ebony English busca empoderar as pessoas negras a partir do ensino afro-centrado da língua inglesa para alunos e empresas