Publicidade

Opinião

Ter propósito é suficiente?

A transformação real só vem com conexão, compromisso e ação consistente


6 de março de 2024 - 9h12

(Crédito: Reprodução)

Antes de vir para a Unilever, via de longe as ações da companhia e imaginava o quão potente deveria ser trabalhar em uma empresa que quer fazer a diferença no mundo e toma decisões baseadas em um propósito claro e bem definido – e pude ver, quando cheguei, que esse compromisso com a sociedade é real. Na unidade de negócio que lidero atualmente, temos um portfólio de produtos relevante e somos líderes de mercado em desodorantes e sabonetes, com uma presença gigante na casa dos brasileiros. É possível ver claramente o quanto o nosso tamanho é proporcional à responsabilidade e à oportunidade de impactar positivamente a vida de milhares de pessoas.

Acredito que o que torna a atuação com propósito em um movimento genuíno, em primeiro lugar, é a verdadeira conexão entre a marca e a temática abordada. O caminho que escolhemos para fazer a diferença precisa ter uma conexão clara com a essência da companhia. É esse match poderoso que faz com que as pessoas se conectem com o propósito. Outra característica importante de iniciativas que efetivamente fazem a diferença é o compromisso com a consistência. De investimento, de apoio, de visibilidade e, principalmente, de ação.

Um exemplo real e que me dá muito orgulho é o projeto “Quebrando Barreiras”, de Rexona – marca que inspira o movimento para além dos limites –, que incentiva a atividade física e o esporte entre crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social. A ação foca em parcerias com ONGs que promovem a inclusão social por meio do movimento físico, além de treinamentos para professores e mentores para que tenham as ferramentas adequadas para continuar inspirando a mudança positiva em suas comunidades.

A idealização do projeto surgiu a partir de uma análise de dados alarmantes da Organização Mundial de Saúde (OMS), que apontou que 80% da população adolescente no mundo não é ativa o suficiente e, durante a prática esportiva, quatro em cada 10 jovens temem o julgamento de outras pessoas. No nosso País, 85% enfrentam limitações para se movimentar. Somada a essa realidade, 74% dos jovens estão em escolas públicas que não têm estrutura básica para criar ambientes de esportes e lazer, sendo que quatro milhões vivem em regiões periféricas.

A partir desse retrato, nossa missão é que os jovens consigam efetivamente quebrar qualquer barreira social e que a atividade física e o esporte possam se tornar verdadeiras alavancas para a igualdade e a inclusão.

Outra estatística que deve ser alvo da preocupação e do cuidado da sociedade em relação aos jovens é a de que em todo o mundo, 45% das meninas entre 11 e 17 anos abandonam a prática de esportes – taxa duas vezes maior do que a ocorrência entre meninos –, sendo a principal razão a baixa confiança com o seu próprio corpo. No Brasil, o número é de 34%.

Os dados foram revelados em uma pesquisa realizada pelas marcas Dove e Nike, que lançaram um programa que disponibiliza um conjunto de ferramentas para desenvolver a confiança corporal e estimular a autoestima e autoconfiança entre adolescentes e jovens. Por meio de treinamentos presenciais, a iniciativa tem o objetivo de incentivar meninas a seguirem praticando esportes.

Esse propósito me move todos os dias e é a consistência, que eu mencionei anteriormente, que vai permitir que essa não seja apenas uma ação pontual, mas a construção de uma realidade diferente. E isso não se faz de um dia para o outro. Lembremos: a jornada só termina quando realizarmos a transformação a que nos propusemos.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    Confira na íntegra o painel com Luanda Vieira, Rafa Brites e a moderadora Camila Fremder

  • Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Seja por meio do ativismo, da influência digital, da política, da comunicação ou pela arte, elas são símbolos de resistência e transformação