CCO da Martin Agency renuncia após acusação de assédio

Buscar

Comunicação

Publicidade

CCO da Martin Agency renuncia após acusação de assédio

Joe Alexander estava na agência há 26 anos e teria sido alvo de uma investigação por prática de assédio sexual


7 de dezembro de 2017 - 11h48

Joe Alexander estava na agência desde 1991 e se tornou chefe criativo em 2012 (Crédito: Reprodução: Advertising Age)

A saída do chief creative officer (CCO) da Martin Agency surpreendeu o mercado publicitário internacional na semana passada. Posteriormente, os motivos começam a ser revelados. De acordo com reportagem do Advertising Age, Joe Alexander deixou a empresa após ter sido acusado de assédio sexual e de ser alvo de uma investigação interna.

A informação foi obtida junto a pessoas próximas ao criativo, que falaram com a reportagem de Ad Age na condição de anonimato. Segundo essas fontes, as conclusões da investigação não foram informadas aos funcionários.
Questionada se chegou a abrir uma investigação por conta de denúncias de assédio sexual, a Martin Agency disse, por meio Dean Jarret, chief communications officer, que “há casos dos quais não é possível fornecer detalhes por conta de pedidos individuais de pessoas que reportaram ações que vão contra os valores e diretrizes da companhia”.

Por e-mail, Joe Alexander falou sobre sua saída, mas não deu maiores detalhes do assunto. “A Martin Agency é a minha família. Em vez de uma investigação lenta e dolorosa, a renúncia foi a melhor decisão a tomar para proteger minha família e todas as pessoas com quem trabalhei de forma tão próxima durante 26 maravilhosos anos. Sempre amarei aquele lugar e as pessoas que o tornam tão especial. Por favor, respeitem minha privacidade durante esse momento que é muito, muito triste”, disse.

A agência, que pertence ao grupo Interpublic, se recusou a detalhar a investigação e a comentar oficialmente o assunto. Na semana passada, a Martin Agency também havia declinado de comentar a respeito da saída de Alexander. Por enquanto, nenhum outro nome foi escolhido para assumir a liderança criativa da operação.

Assim que a agência comunicou sua saída, na semana passada, Alexander postou uma mensagem em seu perfil no Facebook. “Que grande jornada. Não poderia estar mais orgulhoso do trabalho que cumprimos juntos. Agência do Ano. Um Emmy. Um Grand Prix de Film. E, o maior importante: foi uma benção ter feito um trabalho que amo, com pessoas que amo. Nem poderia começar a nomear tantas pessoas por medo de deixar alguém de fora. A barra criativa da Martin vai continuar alta por causa da relação mais profunda com os negócios. Desejo a todos nada menos que o melhor. E olho adiante, para a próxima aventura. Derramando uma lágrima enquanto olho para o futuro. Viva!”.

Alexander chegou na agência em 1991, contratado por Mike Hughes. Ele foi promovido ao cargo de chief creative offiecer em 2012. Sob sua liderança, a agência viveu um crescimento criativo com trabalhos para clientes de pequeno e de grande porte, incluindo Oreo, Benjamim Moore, Walmart, JFK Library e Geico. Para esse último anunciante, inclusive, a marca conseguiu fazer um trabalho capaz de incluir a marca na cultura pop e, também, de conquistar o Grand Prix de Film no Cannes Lions, pela campanha “Unskippable”. Com o case “Clouds Over Cuba”, criada para a JFK Library, a agência conquistou onze Leões em Cannes e também um Emmy.

Com informações do Advertising Age

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Agencias

  • assédio

  • assédio sexual

  • Internacional

  • Joe Alexander

  • Negócios

  • Polêmica

  • The Martin Agency

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”