Rádio online já chega a 61% dos americanos

Buscar

Mídia

Publicidade

Rádio online já chega a 61% dos americanos

The State of the News Media revela ainda que TV aberta segue estável, apesar de queda de revistas eletrônicas


19 de junho de 2017 - 14h15

O Pew Research Center publicou na sexta-feira, 16, a segunda parte do State of the News Media 2016, um dos principais estudos sobre o mercado de conteúdo jornalístico nos Estados Unidos. A primeira, anunciada em 1º de junho, relatou dados sobre jornais e TV paga, enquanto a publicação mais recente trata de redes de televisão aberta, rádio e podcasts, com informações sobre audiência e receita.

O estudo aponta que as principais emissoras abertas com noticiário jornalístico têm mantido os níveis de audiência nos últimos anos, com um público pouco variável, para cima ou para baixo, tanto na faixa matinal como no horário nobre. Combinadas, ABC, CBS e NBC tem cerca de 13 milhões de telespectadores pela manhã e 24 milhões à noite. A exceção são as chamadas “revistas eletrônicas”, geralmente semanais, que têm apresentado queda. No ano passado, na comparação com 2015, caiu 5%, chegando a 30,7 milhões de pessoas a programação das três redes juntas. Em 2009 era de 38,8 milhões.

Audiência combinada das revistas eletrônicas (Crédito: Pew Research Center)

Em termos de receita publicitária, o estudo estima valores para os programas diários que, tanto de manhã como no horário nobre, têm apresentado crescimento. No caso dos matinais, os noticiários tiveram alta combinada de 3% em relação a ano retrasado, chegando a US$ 846,4 milhões. Quanto ao horário nobre, subiu 12%, com US$ 420,8 bilhões em 2016.

Rádio
Assim como no caso da televisão aberta, a popularidade das rádios AM e FM tem permanecido estável nos Estados Unidos no decorrer dos últimos anos. No caso deste dado, adquirido por meio da Nielsen Audio Radar, ele verifica penetração do meio (91%) e não audiência, e se refere às estações de modo geral, não só programação jornalística.

No quesito audiência de rádio streaming, ou online, a curva de adesão é crescente ano a ano. Em 2016, 53% dos americanos de 12 ou mais anos ouviram a rádio na semana da pesquisa e, no mês, 61%. Em 2007, o número correspondia respectivamente a 12% e 20%. O uso de celular para ouvir rádio no carro, seja streaming ou podcasts, também tem crescido aceleradamente. Pesquisa realizada pela Edison Research e Triton Digital nos meses de janeiro e fevereiro revela que hoje 40% dos americanos usam smartphones para conectar suas rádios preferidas no carro, enquanto há sete anos eram 6%.

Ouvintes de podcasts também vêm aumentando: hoje, 40% dos entrevistados são audiência frequente do formato, enquanto em 2006 eram 11%. Entre todos os formatos, os conteúdos preferidos são “notíciario / bate-papo / informação”, seguido por “pop contemporâneo / hits” e “contemporâneo adulto”.

 

Porcentagem de ouvintes americanos de 6 ou mais anos que procuraram pelo referido gênero por pelo menos 15 minutos ao longo do dia (Crédito: Pew Research Center)

 

O Pew Research Center se utiliza de uma série de dados, pesquisas, métricas e análises para formular anualmente o relatório State of the News Media. Entre os institutos consultados para a reunião de informações estão a Kantar e a BIA/Kelsey, além de Nielsen, Edison Research e Triton Digital.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Edison Research

  • jornalismo

  • kantar

  • Kelsey

  • Nielsen

  • Pew Research Center

  • podcasts

  • rádio

  • State of the News Media

  • Triton Digital

  • TV

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”