Burson toma medidas pós-crise

Buscar
Publicidade

Comunicação

Burson toma medidas pós-crise

Agência de RP exige que funcionários apliquem código de ética e lançará ação para posicionar marca


24 de maio de 2011 - 3h41

Há duas semanas, eclodiu o caso da divulgação de informações negativas ao Google, em um trabalho encomendado pelo Facebook, e cuja revelação por jornalistas e blogueiros trouxe danos à imagem da Burson-Marsteller, contratada para fazer o trabalho.

Diante da crise de imagem, a empresa, terceira maior do setor de Relações Públicas no mundo, atrás de Edelman e Fleishman-Hillard, segundo o DataCenter do Advertising Age, já prepara seu plano para estancar o ferimento.

O primeiro passo é fazer com que todo funcionário leia e assine um documento mostrando que entende a aplicação do código de ética – inclusive com um sistema eletrônico para capturar as assinaturas.

Isso ocorre porque, no caso do serviço para o Facebook, os dois funcionários envolvidos diretamente, Jim Goldman e John Mercurio, teriam errado ao aceitar este tipo de contrato, em que o nome do cliente não pode ser citado. Algo que vai contra o código.

“Foi uma violação de nossa política interna, que requer que atuemos com transparência quando contatando mídia ou outros em função de um cliente. Essa regra não foi observada e nas condições em que foi planteada, a empresa não deveria ter aceitado o projeto”, afirma Ramiro Prudencio, presidente da Burson na América Latina.

“Se o nosso código de ética tivesse sido aplicado, isso não teria acontecido. Não quero minimizar a importância do evento, mas a solução passa por seguirmos esse código”, completa.

O segundo passo da empresa é contatar clientes e imprensa, seja por carta, telefone ou reuniões, para esclarecer a situação. Além de reconhecer o erro em relação à atitude dos funcionários, o executivo precisou explicar o porquê de muitas mensagens contrárias à empresa terem sido apagadas do Facebook oficial da Burson. “Algumas passaram dos limites, com palavras de baixo calão. Mas outras mensagens foram retiradas erroneamente”, reconhece.

E o terceiro passo, mais adiante, é “um programa para posicionar a empresa no mercado”, como afirma Prudencio, sem revelar mais detalhes.

wraps

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Produtora especializada em entregas de digital acaba de abrir escritório em Miami, onde deve centralizar atendimento de multinacionais

  • Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Grupo de saúde reativa as atividades da Promarket, que foi responsável pela publicidade e comunicação do grupo de 1980 até 2012