Dia da Mulher Negra evidencia escassez da representatividade

Buscar

Dia da Mulher Negra evidencia escassez da representatividade

Buscar
Publicidade

Comunicação

Dia da Mulher Negra evidencia escassez da representatividade

Profissionais de agências de publicidade do Brasil destacam a importância de o mercado gerar ações práticas e inclusivas com urgência


25 de julho de 2022 - 16h23

(Shutterstock)

O dia 25 de julho é, desde 1992, reconhecido como Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha. A data nasceu em Santo Domingo, na República Dominicana, durante o primeiro 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas. No Brasil, a lei nº 12.987/2014, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, decretou a data como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

Apesar de terem se passado três décadas — no caso do Brasil, oito anos — do marco no calendário da latino-americano, a data ainda não é de conhecimento geral da população. Juliana Oliveira, fundadora e CEO da Oliver Press, comenta que o Brasil tem apagamento histórico e por isso a população não se conhece, não se reconhece e tampouco sabe a sua história. Porém, para ela, como mulher negra e dona de uma empresa de comunicação, colocar esse momento em pauta é uma de suas missões.

“Vivemos um processo de reconhecer cada vez mais a nossa história para poder valorizá-la. Atualmente, temos um percentual, ainda que muito pequeno, de mulheres negras na liderança. Esse mês de julho é muito importante. Trabalho essa pauta com todas as minhas clientes que são mulheres negras empreendedoras. Temos esse olhar de provocar a imprensa para essa data tão importante. Sou uma mulher negra e preciso cada vez mais trazer as nossas mulheres reconhecendo o dia 25 de julho”, afirma.

A questão da abordagem mais inclusiva vai além da importância do conhecimento geral e passa diretamente pelos negócios realizados na indústria da comunicação. Profissionais apontam que a falta de diversidade nos times publicitários afeta diretamente a criatividade e a propagação de estereótipos nos trabalhos entregues.

“Sou jornalista e cansei de fazer matérias sobre o quanto o ambiente da publicidade era excludente e estereotipado. Isso diz muito sobre o meu desafio e a minha missão de estar aqui. Como é que eu mudo isso por de dentro? Como é que posso ocupar de uma posição na qual posso trabalhar de outra forma e conseguir gerar essa diversidade? Ainda é bastante desafiador”, conta Rejane Romano, diretora de comunicação da DPZ&T. Parte do board da agência desde setembro de 2021, a profissional conta que a equipe tem 50% de composição feminina. Ela é, porém, uma das únicas mulheres pretas a exercer esse cargo no mercado brasileiro.

No final de 2021, o Clube de Criação elegeu a primeira diretoria 100% negra. À frente da entidade está a presidenta Joana Mendes, que é a primeira pessoa negra a ocupar o cargo. “É muito bom ser parte da Chapa Preta e ser presidenta do Clube de Criação, ser a primeira mulher e pessoa negra neste cargo. Mas, ao mesmo tempo, é bem triste, porque o Clube existe desde 1975 e sermos os primeiros é o reflexo do nosso mercado. Eu ser presidente foi um fator positivo, mostra o interesse de uma tentativa de mudança do setor, mas é complexo”, comenta a publicitária.

Dados e ações

No mundo, grandes holdings de comunicação vem abrindo seus dados e compromissos para a criação de um ambiente profissionais mais diverso e igualitário. Deh Bastos, diretora de criação da Publicis Brasil, diz que os grandes grupos estão se envolvendo no problema, mas indústria é mais ampla. “Enquanto representação, por mais que a gente tenha um número crescente, ainda somos um número muito pequeno. Estamos em um dos maiores grupos de comunicação do mundo, o Publicis Groupe, então aqui começamos a ter uns avanços e a ter números significativos, mas fico pensando nas agências menores”, diz.

A Publicis estabeleceu nos últimos anos projetos de inclusão como o Entre, que está em sua quarta edição e tem o propósito de capacitar, desenvolver e incluir nas agências profissionais criativas. No programa, 85% das vagas são dedicadas às pessoas que se identifiquem pelo gênero feminino e que se autodeclaram negras.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Campanhas da Semana: músicas e ritmos embalam comerciais

    Campanhas da Semana: músicas e ritmos embalam comerciais

    Mari Fernandez e Alceu Valença trazem “Se aprochegue, São João” para campanha de O Boticário e Swile recria clipe de “Oração” da Banda mais Bonita da Cidade

  • Dia do Mídia: a técnica e a criatividade lado a lado

    Dia do Mídia: a técnica e a criatividade lado a lado

    No Dia do Mídia, profissionais analisam contexto atual da área e descrevem demandas de talentos entre a tecnologia e o fator humano