Facebook Awards 2017 prioriza emoções

Buscar

Comunicação

Publicidade

Facebook Awards 2017 prioriza emoções

Neste ano, categorias são como as reações da rede social: Laugh, Cry, Wow, Love e Act; inscrições abrem nesta terça, 21

Isabella Lessa
21 de março de 2017 - 13h17

AndrewKellerHeadshot

Andrew Keller, diretor global de criatividade do time de Creative Shop do Facebook (Crédito: Divulgação)

Neste ano, as emoções contidas nas campanhas serão o termômetro para guiar os juízes do Facebook Awards. A sexta edição do prêmio abre as inscrições para trabalhos do mundo inteiro nesta terça-feira, 21, com novidades. Já que desde o ano passado a rede social passou a permitir que seus usuários expressassem mais reações nas publicações, o mesmo conceito foi aplicado à premiação, substituindo as categorias das edições anteriores, centradas em formatos, por cinco categorias mais subjetivas: Laugh, Cry, Wow e Love e Act.

“A criatividade é sobre conseguir arrancar reações emotivas das pessoas, então essas novas categorias giram mais em torno de ideias do que formatos. Não importa mais se é branded content ou não”, comenta Andrew Keller, diretor global de Criatividade do time de Creative Shop. Segundo ele, agências e anunciantes já têm explorado de maneira criativa plataformas como Canvas e 360, o que não torna mais necessário separar os trabalhos por formatos. “É uma ótima oportunidade para celebrar a criatividade na plataforma em sua forma mais literal”, diz.

Para Rapha Vasconcellos, diretor para América Latina do time de Creative Shop, a categorização em cima de um formato limitava, muitas vezes, o reconhecimento de grandes ideias. “Independentemente de o trabalho ser 360º, inovador, o que interessa é provocar reação nessas pessoas”, afirma.

Apesar de o formato não ser o principal destaque do Facebook Awards 2017, Keller reconhece que o vídeo mobile é o meio que mais tem atraído a audiência e onde as marcas mais têm focado sua comunicação, inclusive com vídeos mais longos. Além disso, o profissional enxerga uma evolução do feed do Facebook para um espaço criativo. “As pessoas sempre entenderam o feed como um espaço para expressar emoções e agora as marcas estão conseguindo explorar suas ideias nesses espaços também”, comenta.

Outra mudança nesta edição é que não haverá etapas regionais. Ou seja, os trabalhos inscritos da América Latina, por exemplo, estão automaticamente concorrendo a nível global. Vasconcellos explica que não havia mais a necessidade de separar as campanhas por região pois, no final, são julgadas pelo mesmo júri e é, também, uma maneira de dar mais visibilidade aos trabalhos de outras localidades que não dos EUA e Europa.

Se nas duas edições anteriores campanhas com causas sociais por trás ganharam destaque, em 2017 os anunciantes devem se destacar mais por cases focados no dia a dia das marcas, aposta Vasconcellos. Na visão do profissional, no Brasil, o segmento de consumo e, especialmente o de cervejas, devem obter bons resultados neste Facebook Awards. “As agências estão sabendo brincar mais na plataforma, explorando linguagens novas e distribuindo vídeo de maneira diferente. Acredito que sairemos dessa premiação com bons exemplos de como a publicidade vai se estabelecer no mobile”, analisa.

Publicidade

Compartilhe