Gestão de crise protege a Itambé

Buscar

Marketing

Publicidade

Gestão de crise protege a Itambé

Desde que uma criança morreu, em Cuiabá, após ter consumido achocolatado envenenado da marca, empresa mostrou agilidade em sua comunicação e recebeu apoio de consumidores

Luiz Gustavo Pacete
5 de setembro de 2016 - 10h00

1

Esclarecimento divulgado nas redes da Itambé

De origem mineira e com mais de 66 anos de mercado, a Itambé pertence a um grupo de marcas que desperta o sentimento de pertencimento de muitos consumidores. O nível de engajamento, neste momento, foi fundamental para que a empresa superasse uma crise que se estendia desde a semana passada.

Na sexta-feira, 26, a Vigilância Sanitária do Mato Grosso notificou a empresa após um garoto de dois anos ter morrido ao consumir o achocolatado Itambezinho. Naquele instante, não só a marca Itambé, mas o setor de achocolatados, como um todo, entrou em alerta em função dos boatos que se espalharam pelas redes sociais.

No mesmo dia, a empresa emitiu um comunicado em seus canais informando a notificação e ressaltando que estava em contato com as autoridades sanitárias e regionais. Na última quinta-feira, 1º, a polícia de Cuiabá identificou pesticida no produto e afirmou que o caso se tratava de um crime e não de contaminação. No mesmo dia, a empresa emitiu um novo comunicado esclarecendo o caso: “a Itambé reforça que desde o dia 25/05, data de fabricação do lote em questão, já foram comercializadas mais de 5 milhões de unidades e não foram registradas reclamações de nenhuma natureza”.

E, por fim, na sexta-feira, 2, Alexandre Almeida, presidente da Itambé, em um vídeo publicado nas redes sociais, se solidarizou com a família do garoto e ressaltou que “histórias fantasiosas foram uma profunda falta de respeito com a família e com a Itambé. ” O executivo agradeceu aos consumidores e colaboradores da empresa por terem superado a situação. Desde que o caso veio ao público diversos comentários de apoios foram emitidos parabenizando a marca pela transparência e pela rapidez com que reagiu ao fato.

Caso semelhante, porém, com um desfecho completamente diferente ocorreu em 2013 com a marca de suco de soja Ades depois que o Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, confirmou que a embalagem do suco de maçã Ades, consumido por uma moradora de Guarujá, no litoral de São Paulo, continha soda cáustica. Na época, o caso rendeu um impacto negativo para a marca.

 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • itambe

  • achocolatado

  • contaminacao

  • cuiaba

  • envenenamento

  • transparencia

  • gerenciamento

  • crise

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”