Governo quer unir varejo e mídia na Semana do Brasil

Buscar

Marketing

Publicidade

Governo quer unir varejo e mídia na Semana do Brasil

Proposta pela Secom, iniciativa planeja para setembro um período especial de promoções para estimular as vendas de diferentes setores da economia

Bárbara Sacchitiello
30 de julho de 2019 - 19h21

(Crédito: Fotolia)

Em uma tentativa de “aquecer a economia, movimentar o comércio e estimular o turismo interno”, de acordo com texto divulgado pela Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República, o governo brasileiro decidiu fazer da segunda semana de setembro uma nova data do calendário comercial.

Batizada de “Semana do Brasil”, a proposta visa reunir a cadeia do varejo, o setor de turismo e outros segmentos da economia em um período de promoções, tal como é a Black Friday, que nos últimos anos se consolidou no País, tornando-se uma das datas mais importantes para o varejo nacional.

Originalmente criada pela Secom, liderada por Fabio Wajngarten, a ideia foi apresentada ao Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDC), que ficará encarregado de articular a proposta junto aos setores econômicos. A primeira reunião para tratar da proposta aconteceu na semana passada, em São Paulo, e foi conduzida pelo presidente do IDC, Marcelo Silva, e pelos conselheiros do Instituto, Flavio Rocha (Riachuelo) e Marcos Gouvêa (GS&MD).

Além de empresários do setor do varejo e de Wajngarten, representando a Secom,  estiveram presentes executivos de empresas de comunicação, como Eduardo Scheffer (Globo), José Roberto Maciel (SBT), Luiz Cláudio Costa (Record), Fábio Carvalho (Editora Abril) e Mário D’Andrea (Abap). A presença desses executivos de mídia e publicidade é estratégica para o projeto da “Semana do Brasil” porque uma das propostas da Secom envolve uma política de revisão de preços para os anunciantes que queiram veicular na mídia suas ofertas de produtos para a data promocional.

O mês de setembro foi escolhido pela combinação de dois fatores: Além de ser o período de um dos mais importantes feriados nacionais (a Independência do Brasil), setembro é considerado pelo varejo como um mês fraco para as vendas. A ideia, então, seria estimular o consumo no período e aquecer o mercado para o último trimestre do ano.

Uma nova reunião a respeito da “Semana do Brasil” está marcada para quinta-feira, 1º de agosto, em São Paulo. Devem fazer parte desse encontro representantes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) e outras entidades do comércio e varejo nacional.

Esse encontro terá o objetivo de definir alguns pontos da iniciativa, como a política de descontos feita pelas empresas e a duração do período promocional. Estima-se, no entanto, que a semana de ofertas deva começar no dia 6, um dia antes do feriado da independência, estendendo-se até o dia 15.

De acordo com a apuração, tanto a Secom quanto o IDC testarão a “Semana do Brasil” em 2019 de forma experimental, uma vez que a data já está relativamente próxima, mas esperam consolidar o período no calendário do varejo nacional nos próximos dois anos. A Black Friday, inclusive, é vista como exemplo, já que a data levou alguns anos para ser amplamente trabalhada pelo varejo nacional.

Campanha publicitária
Na primeira apresentação do projeto, realizada na semana passada, a Secom e o IDV apresentaram o esboço de uma campanha publicitária que deve ser veiculada na mídia para comunicar à população sobre a “Semana do Brasil”. Todo esse trabalho de comunicação está sendo realizado pela NBS, uma das agências de publicidade da Secom. Os filmes estão em fase de finalização e devem ser lançados na mídia em breve.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • varejo

  • Campanha

  • Negócios

  • vendas

  • Compras

  • NBS

  • Secom

  • Semana do Brasil

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”