Com CVV e Libbs, Carlinhos Brown faz música sobre suicídio

Buscar

Marketing

Publicidade

Com CVV e Libbs, Carlinhos Brown faz música sobre suicídio

Aproveitando o movimento Setembro Amarelo, parceria visa incentivar maior diálogo sobre saúde mental

Karina Balan Julio
10 de setembro de 2019 - 9h00

(Crédito: Reprodução)

Desde 2015, quando foi criada a iniciativa Setembro Amarelo, o mês é palco de dezenas de campanhas sobre saúde mental, em especial relacionadas à prevenção do suicídio. Nesta terça-feira, 10, Dia Mundial de Prevenção de Suicídio, o Centro de Valorização da Vida (CVV), o cantor Carlinhos Brown e a farmacêutica Libbs lançam a música “Vozes do Silêncio”, que traz uma mensagem empática e incentiva o diálogo sobre o tema.

No clipe lançado junto à música, Brown aparece como maestro de um coral silencioso com 32 participantes — que representam o número de pessoas que se suicidam diariamente no Brasil. A música faz parte de uma campanha maior do CVV com apoio da Libbs, com o mote “Falar de Suicídio não é Tabu”. A canção foi criada pelo próprio Carlinhos em parceria com voluntários do CVV.

 

“O processo não foi simplesmente artístico, mas pautado em evidências científicas”, conta Wilson Junior, diretor de negócios B2C da Libbs. O objetivo, segundo ele, é alavancar a causa da prevenção e divulgar canais de apoio como o CVV, mais do que simplesmente promover uma campanha pontual. “Encontramos grandes desafios quando falamos de depressão e suicídio. Além da doença em si, há muita desinformação e preconceito. Parece absurdo que o Brasil seja o oitavo país com maior número de suicídios no mundo. As pessoas acham que falar sobre o assunto incita o ato, mas na realidade ajuda a prevenir novos incidentes”, avalia.

Carlinhos Brown conta que, durante o processo de composição, buscou trazer uma mensagem acolhedora. “O suicídio não está restrito a uma faixa etária ou âmbito social. Acho que com a música conseguimos apresentar um caminho muito claro de escuta com palavras-chave ”, afirma. Além da música, foram criados canais informativos nas redes sociais, com conteúdo educativo e participação de influenciadores engajados na causa. A campanha foi realizada pela TracyLocke Brasil.

O Centro de Valorização da Vida, por sua vez, vem tentando se aproximar de marcas e parceiros de mídia. A entidade, que promove atendimento emocional presencial e remoto a pessoas em estado de vulnerabilidade, recebe cerca de 10 mil ligações diárias e conta com doações de empresas para manter sua estrutura. “Aceitamos apoio e fazemos parcerias desde que haja um alinhamento entre a mensagem que queremos passar e o produto da marca. Jamais podemos vincular nossa atividade com empresas de bebida, por exemplo, já que o álcool é um fator de risco para pessoas que consideram o suicídio”, pondera Carlos Correia, voluntário e porta-voz do CVV.

Além da Libbs, outras marcas e personalidades recentemente embarcaram em iniciativas de debate ou prevenção de suicídio junto à entidade. No final de semana passado, Facebook e Instagram promoveram o Festival Amarelo, em parceria com o CVV e a SaferNet, um evento sobre saúde mental destinado a jovens com a participação de influenciadores como Dora Figueiredo, Gabi Oliveira e Spartakus, além do rapper Emicida. A Netflix, por sua vez, incluiu o número de emergência da entidade em conteúdos de abertura da nova temporada da série 13 Reasons Why, enquanto a marca de produtos naturais Bio Mundo se comprometeu a destinar 4% do valor das vendas feitas com castanhas-do-pará para a entidade, durante o mês de setembro.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Netflix

  • CVV

  • Libbs

  • SaferNet

  • emicida

  • Gabi Oliveira

  • Dora Figueiredo

  • Spartakus

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”