Coronavírus leva ao cancelamento do MWC

Buscar

Marketing

Publicidade

Coronavírus leva ao cancelamento do MWC

Depois da desistência de mais de 20 marcas, organização decide anular evento que aconteceria em Barcelona entre os dias 24 e 27 de fevereiro

Victória Navarro
12 de fevereiro de 2020 - 14h56

Atualizado às 16:05

Nos últimos dias, gigantes de tecnologia e telecomunicações como Amazon, AT&T, Cisco, Ericsson, Facebook, Intel, LG, Nokia, Nvidia, Sony, Vodafone e ZTE optaram por não participar mais do Mobile World Congress (MWC), em decorrência dos riscos de disseminação do coronavírus. Nesta quarta-feira, 12, a GSMA, associação que, além de responder pelo MWC, representa os interesses das operadoras móveis em todo o mundo, anunciou o cancelamento do evento, que iria acontecer de 24 a 27 de fevereiro em Barcelona (Espanha). 

É a primeira vez na história do Mobile World Congress, de Barcelona, que os organizadores cancelaram o evento, que atrai mais de 100 mil participantes de todo o mundo a fim de conferir as últimas inovações do setor de telecomunicações. “A preocupação global com o surto de coronavírus, as preocupações com viagens e outras circunstâncias tornaram impossível a continuidade do MWC”, disse John Hoffman, diretor executivo da GSMA, em comunicado à Bloomberg. O prejuízo será de US$ 541 milhões, com reflexos sobre 14 mil empregos.

A decisão foi tomada após uma reunião que durou quase seis horas e na qual participaram os 26 representantes das principais operadoras de telecomunicações de todo o mundo — Telefónica, Deutsche Telekom, Vodafone, Orange, AT&T, Verizon, América Móvil, China Mobile, China Telecom e China Unicom –, que compõem o órgão de governança da GSMA.

Em comunicado oficial, a GSMA afirmou: “Desde a primeira edição do Mobile World Congress em Barcelona, ​​em 2006, a GSMA reuniu a indústria, governos, ministros, formuladores de políticas, operadores e líderes da indústria em todo o ecossistema. Com o devido respeito ao ambiente seguro e saudável de Barcelona e do país anfitrião, hoje, a GSMA cancelou o MWC Barcelona 2020, porque a preocupação global com o surto de coronavírus, a preocupação com viagens e outras circunstâncias impossibilita a realização do evento”. O comunicado, ainda, diz que a associação e a cidade anfitriã continuarão trabalhando em uníssono, com o objetivo de apoiar, mutuamente, o MWC Barcelona 2021 e suas edições futuras.

 

O MWC, que acontece em Barcelona de 24 a 27 de fevereiro, deverá gerar um volume previsto, neste ano, de US$ 541 milhões (crédito: Sérgio Damasceno)

Confira as marcas que alteraram suas participações no Mobile World Congress, até a publicação desta matéria:

Amazon
Ao site TechCrunch, a Amazon disse que “devido ao surto e preocupações contínuas sobre o novo coronavírus, deixará de expor e participar do Mobile World Congress 2020”.

Amdocs
A fornecedora de software e serviços para empresas de comunicação e mídia Amdocs anunciou, em nota, que, ao priorizar a saúde e a segurança de seus funcionários, clientes e parceiros, não participará do Mobile World Congress deste ano. “Embora gostemos das medidas de precaução adotadas pela GSMA, acreditamos que a opção mais segura não é participar do MWC 2020, em Barcelona “, disse Shuky Sheffer, presidente e diretor executivo da empresa.

AT&T
A operadora norte-americana AT&T anunciou para o portal CNET que, por conta do coronavírus, a decisão mais responsável é retirar-se do Mobile World Congress, a fim de salvar funcionários e clientes.

Cisco
Em seu perfil oficial no Twitter, a Cisco, focada em soluções para redes e comunicações, comunicou sua saída do Mobile World Congress. “Tomamos a difícil decisão de deixar de participar do MWC devido a preocupações com o atual surto de coronavírus. Para aqueles que estão sendo diretamente afetados por essa situação, mandamos orações”, afirmou.

CommScope
A fim de garantir a segurança e bem-estar de seus funcionários, a CommScope, empresa provedora de infraestrutura de rede, cancelou sua presença física no MWC, que acontecerá em Barcelona. “Essa não é uma decisão que tomamos de ânimo leve e, embora a probabilidade de contrair o vírus seja baixa, não arriscaremos a saúde de nossos funcionários, nem os negócios, caso uma quarentena fosse solicitada”, disse, em comunicado à imprensa. A equipe da marca está explorando a possibilidade de realizar feiras virtuais e reuniões para mostrar o seu novo portfólio. 

Ericsson
A Ericcson afirmou, em comunicado à imprensa, que “reconhece que a a GSMA está fazendo tudo que pode para controlar o risco de contaminação no MWC. No entanto, como um dos maiores expositores, a Ericsson recebe milhares de visitantes, todos os dias, em seu stand e, mesmo que o risco seja baixo, a empresa não consegue garantir a saúde e a segurança de seus funcionários e visitantes”.

Facebook
Em comunicado, o Facebook disse que “os funcionários da empresa não comparecerão ao Mobile World Congress deste ano devido aos riscos crescentes à saúde pública relacionados ao coronavírus”. O Facebook afirmou que continuará colaborando com a GSMA e seus parceiros.

Huawei
A Huawei está entre as empresas que tentam se proteger. Os funcionários da empresa, que participarão do Mobile World Congress e que são da China, ficarão em quarentena, fora do território chinês, por, pelo menos, 14 dias antes do evento. “Espera-se que mais de 12 mil pessoas na Europa e aquelas que não estiveram na China ou tenham tido contato com outras tenham um papel muito mais proeminente em todos os eventos do MWC”, disse um porta-voz da marca, para reportagem da Wired.

Intel
A Intel não integrará mais o MWC, que acontece este ano em Barcelona. “A segurança e o bem-estar de todos os nossos funcionários e parceiros é a nossa principal prioridade. Somos gratos à GSMA por sua compreensão e esperamos participar e apoiar futuros eventos do Mobile World Congres”, afirmou a empresa de tecnologia, em nota.

LG
A LG, em comunicado oficial, afirmou estar monitorando de perto a situação relacionada ao novo surto de coronavírus. “A fim de garantir a segurança de seus funcionários, parceiros e clientes, a LG decidiu deixar de expor e participar do MWC 2020. Essa decisão elimina o risco de expor centenas de funcionários da LG por realizarem viagens internacionais, que já se tornaram mais restritivas à medida que o vírus continua se espalhando pelas fronteiras”. Em vez de participação do evento, em Barcelona, a marca realizará um evento separado, em um futuro próximo, para anunciar seus produtos móveis deste ano.

MediaTek
Responsável por desenvolver processadores para equipamentos eletrônicos, a MediaTek, após uma avaliação cuidadosa, decidiu não participar mais do MWC. Porém, em nota, afirmou que está considerando outras maneiras de compartilhar sua tecnologia 5G e todas as inovações relacionadas.

Nokia
A Nokia decidiu retirar-se do MWC 2020 após avaliar os riscos atrelados ao coronavírus. Em comunicado à imprensa, a marca agradeceu a GSMA, bem como os governos da China e da Espanha. “Embora a saúde e a segurança de nossos funcionários sejam nossa prioridade absoluta, também reconhecemos que temos responsabilidade com o setor e nossos clientes”, afirmou. A Nokia fará uma série de eventos, sob o nome Nokia Live, com o objetivo de mostrar os seus lançamentos até então agendados para o Mobile World Congress.

NTT DoCoMo
A NTT DoCoMo, empresa de telefonia celular do Japão, decidiu cancelar sua participação no MWC, de Barcelona. “Estamos comprometidos com a segurança de clientes, empresas parceiras e funcionários diariamente. Atualmente, o impacto do novo coronavírus está se expandindo”, anunciou, em comunicado oficial à imprensa.

Nvidia
Para justificar sua saída do MWC deste ano, a multinacional de tecnologia Nvidia, em nota, disse que “dados os riscos à saúde pública em torno do coronavírus, garantir a segurança de nossos colegas, parceiros e clientes é a nossa maior preocupação”.

Rakuten
O conglomerado tecnológico japonês Rakuten informou que, “devido a preocupações com o novo coronavírus”, se retirarão do MWC 2020. A empresa continuará trabalhando para lançar sua primeira rede móvel nativa em nuvem,  em abril deste ano.

Sony
A Sony disse, em comunicado, que, como dá máxima importância à segurança e ao bem-estar de seus clientes, parceiros, mídia e funcionários, tomou a difícil decisão de deixar de expor e participar do Mobile World Congress. “A Sony gostaria de agradecer a todos pela compreensão e apoio contínuo durante esses tempos difíceis”, afirmou. A conferência de imprensa da marca ocorrerá no horário programado, às 8h30 de 24 de fevereiro de 2020, por vídeo.

TCL
Dada a recente preocupação com o coronavírus, a TCL, empresa chinesa focada em eletrônicos, cancelou seu evento de imprensa global para o MWC, que aconteceria em 22 deste fevereiro. “Essa decisão não impacta nenhuma outra atividade planejada pela empresa para o Mobile World Congress 2020. E, a empresa anunciará lá os seus mais recentes lançamentos em termos de dispositivos móveis”, afirmou, em nota.

Umidigi
A empresa chinesa de telefonia móvel Umidigi disse, em seu perfil oficial no Twitter, que prefere manter seus funcionários trabalhando em ambiente seguro, a fim de respeitar todas as outras pessoas ao redor do mundo. Logo, não participará mais do Mobile World Congress 2020.

Vivo
A fabricante chinesa de smartphones Vivo, que planejava lançar sua linha de produtos no mercado do Reino Unido durante o MWC 2020, anunciou, em comunicado, que irá se retirar do evento: “A saúde e a segurança de nossos funcionários e do público são nossa principal prioridade”.

Vodafone
Em seu Twitter oficial, a operadora móvel Vodafone, anunciou que se retirá do Mobile World Congress. “Esperamos, ansiosamente, participar do próximo MWC, um dos principais eventos do setor”, afirmou.

ZTE
A ZTE cancelou sua conferência de imprensa, a ser realizada durante o Mobile World Congress. No entanto, disse, em nota oficial, que apresentará, no evento, soluções abrangentes e dispositivos direcionados ao 5G. “Após o novo surto de coronavírus, além de responder ativamente e organizar recursos para garantir o serviço de telecomunicações nas áreas afetadas, a ZTE sempre coloca a saúde de nossos funcionários e clientes como prioridade”, afirmou. A marca adotará diretrizes pelas quais todos os funcionários devem passar por duas semanas de auto-isolamento, pré-MWC; o estande e o equipamento da exposição serão desinfetados, diariamente; e garantirá que a apresentação de estandes seja feita por pessoas fora da China.

*Crédito da foto no topo: Negative Space/Pexels

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • vivo

  • facebook

  • Sony

  • Amazon

  • Cisco

  • at&t

  • LG

  • Nokia

  • Nvidia

  • Intel

  • Rakuten

  • Huawei

  • Ericsson

  • zte

  • TCL

  • GSMA

  • Vodafone

  • commscope

  • amdocs

  • mediatek

  • ntt docomo

  • umidigi

  • telecomunicações

  • MWC

  • Mobile World congress

  • cor

  • coronavírus