Banco Central pretende criar marketplace de crédito

Buscar

Marketing

Publicidade

Banco Central pretende criar marketplace de crédito

Diogo Silva, chefe de regulação financeira do Banco Central, afirma que medida ampliaria concorrência e presença de novas instituições

Salvador Strano
5 de março de 2020 - 14h35

Banco Central é responsável por agenda que visa diminuir spread bancário no Brasil (Crédito: Diegograndi/iStock)

O Banco Central vislumbra a criação de uma plataforma de marketplace de crédito que se alimente de informações transacionadas pelo open banking. Assim, ao mesmo tempo que a concorrência entre instituições se tornará acirrada, nenhuma delas estará munida com mais informações do que a outra, podendo aplicar taxas direcionadas para certos tipos de clientes.

“O open banking pode trazer ganhos práticos, como a redução do spread bancário [a diferença entre o quanto o banco gasta para captar recursos e as taxas de empréstimo]. Isso, junto com uma série de outras soluções, como a portabilidade de crédito”, afirmou nesta quinta-feira, 5, Diogo José Souza da Silva, chefe de Subunidade do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central.

O regulador explicou as implicações da nova norma em um evento sobre o tema realizado em São Paulo.

A plataforma seria apenas parte da ampla mudança no setor de crédito que viria junto ao grupo de regulamentações do open banking. De forma concisa, elas partem do princípio de que o cliente de uma instituição financeira pode transferir seus dados de histórico de uso e pagamentos para outra instituição. Atualmente, isso pode ser considerado quebra de sigilo bancário.

A plataforma em questão poderia, em última instância, fazer com que vertentes de negócios de instituições financeiras especializadas nesse setor se tornassem obsoletas. O prazo para que isso vá ao ar, entretanto, pode exceder um ano.

Entre as opções que existem atualmente no segmento estão GuiaBolso e Serasa eCred – onde diversas instituições oferecem empréstimos baseados nas pontuações e informações que as próprias plataformas mantêm.

Com o open banking, entretanto, todas as instituições que quiserem fazer parte do pregão poderão ter acesso aos dados bancários que o consumidor escolher compartilhar. Para Amanda Rapouso, gerente do Serasa Consumidor, a novidade não deve alterar a forma com que a empresa atua. Segundo a executiva, quanto mais empresas fazendo essa movimentação, melhor.

Já Fátima Rios, head de novos produtos e do Guiabolso Connect, afirma que “toda iniciativa que surja para dar mais transparência aos produtos de crédito hoje existentes no mercado é benéfica para o consumidor”.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Diogo José Souza da Silva

  • GuiaBolso

  • banco central

  • serasa

  • Finanças

  • regulacao

  • open banking