L’Oréal faz as pazes com modelo negra que demitiu

Buscar

Marketing

Publicidade

L’Oréal faz as pazes com modelo negra que demitiu

Munroe Bergdorf, demitida em 2017, será membro do Conselho Consultivo em Diversidade e Inclusão da L’Oréal do Reino Unido


11 de junho de 2020 - 6h00

Ao apoiar nas redes sociais Black Lives Matter, depois de ter demitido, há três anos, a modelo negra, companhia foi chamada de hipócrita, mas buscou se redimir (Crédito: Reprodução AdAge)

(*) Por Jack Neff, do AdAge

A L’Oréal Paris chegou a um acordo com a modelo negra transgênero Munroe Bergdorf quase três anos após a marca tê-la demitido após um post no Facebook que a empresa dizia estar “em desacordo com nossos valores”. A L’Oréal enfrentou reações nas mídias sociais por parte de Bergdorf e muitas outras pessoas dizendo que a marca estava sendo hipócrita depois de apoiar o movimento Black Lives Matter nas redes sociais.

Em setembro de 2017, a L’Oréal penalizou Bergdorf por um post no Facebook, posteriormente retirado, que jogava carga grande de responsabilidade nas pessoas brancas pelos movimentos de supremacia branca que levaram a confrontos na cidade de Charlottesville (na ocasião, manifestantes de extrema-direita fizeram uma marcha para protestar contra a remoção da estátua do general Robert E. Lee, que liderava os confederados na Guerra Civil Americana). “A maioria de vocês nem percebe ou se recusa a assumir, que sua existência, privilégio e sucesso como raça é construído nas costas, sangue e morte de pessoas de cor”, afirmava o post. “Toda sua existência é encharcada em racismo”, continuava.

Em um comunicado nesta quarta-feira, 9, a presidente da marca L’Oréal Paris, Delphine Viguier, afirmou ter tido “uma conversa honesta, transparente e sensível” com Bergdorf. “Enquanto ambas concordamos hoje que rótulos negativos não devem ser usados para definir todos os indivíduos de qualquer grupo, entendo muito melhor a dor e trauma que estavam por trás das palavras de Munroe na ocasião e a urgência que ela sentiu de falar em defesa da comunidade negra contra o racismo sistemático, disse Viguier. “Lamento a falta de diálogo e apoio que a companhia demonstrou à época”, afirmou ainda.

A executiva contou que a L’Oréal está formando um Conselho Consultivo em Diversidade e Inclusão no Reino Unido formado por vozes de dentro e fora da companhia que inclui Bergdorf. A L’Oréal Paris também está doando mais de US$ 50 mil para a instituição Mermaids, apoiando jovens que são gênero-variantes e transgêneros e o movimento Orgulho Negro, do Reino Unido.

“Como uma ativista, parte do meu trabalho é encorajar grandes empresas a entender sua responsabilidade no que diz respeito a diversidade e inclusão”, afirmou Bergdorf no Twitter. Já a L’Oréal Estados Unidos ainda tem um problema legal pendente no campo da diversidade e inclusão. Uma ação movida no final de 2018 pela ex-vice-presidente de marketing digital Amanda Johnson, que é negra, acusa a empresa de discriminação de raça, sexo e por deficiências físicas. A L’Oréal nega vigorosamente as acusações e o processo segue aguardando um desfecho.

(*) Tradução: Roseani Rocha

Publicidade

Compartilhe