iFood inicia testes para realizar entregas por drones

Buscar

Marketing

Publicidade

iFood inicia testes para realizar entregas por drones

Foodtech acaba de receber aprovação da Anac para voos experimentais com drones; primeiras entregas devem começar ainda este ano


12 de agosto de 2020 - 18h07

(Crédito: Divulgação)

Com o intuito de reduzir o tempo de entregas, o iFood começará a testar voos experimentais com drones a partir de outubro. Na quarta-feira passada, 5 de agosto, o app recebeu aval da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), para realizar os testes.

Em uma primeira fase, o drone será um complemento à operação de entrega tradicional: irá realizar a primeira parte da rota de entregas, que serão finalizadas pelos entregadores.

O uso dos drones terá início em Campinas, no interior paulista. Uma rota de 400 metros conectará a praça de alimentação do Shopping Iguatemi Campinas ao iFood Hub, estrutura que roteiriza os pedidos. Essas entregas devem levar, em média, dois minutos – trecho que se percorrido a pé levaria 12 minutos.

Uma segunda rota de voo, também a ser realizada em caráter experimental, começará no iFood Hub e terá como destino final o droneport de um complexo de condomínios próximo ao shopping. Segundo estimativas, a rota de 2,5 quilômetros seria feita em dez minutos por terra e passará a ser concluída em 4 minutos com o drone.

“Esse foi um importante passo para construir um projeto seguro, eficiente e economicamente sustentável junto aos nossos parceiros e órgãos responsáveis. Essa é uma etapa muito significativa para a evolução do uso comercial de drones. Nosso objetivo primário é utilizar o drone para trazer mais eficiência para a operação logística. Estamos confiantes na evolução que o uso desse modal combinado a inteligência artificial pode trazer para a empresa”, disse Roberto Gandolfo, vice-presidente de logística do iFood, em nota.

Em julho, a Speedbird Aero e a AL Drones promoveram os ensaios finais do projeto em São José dos Campos, com a participação da Anac. Todo processo de certificação levou cerca de 11 meses.

*Crédito da imagem no topo: Divulgação

Publicidade

Compartilhe