CES desenha futuro elétrico e imersivo

Buscar

Marketing

Publicidade

CES desenha futuro elétrico e imersivo

Programação apresentou novidades em serviços com carros elétricos, experiência de assistir TV e atrações imersivas na cultura e entretenimento


14 de janeiro de 2021 - 5h50

Por Ethan Jakob Craft, do Ad Age*

Ainda está com saudades de Las Vegas? A CES tem feito o possível para reproduzir a aura de negociação e camaradagem da indústria pela qual seu evento presencial anual é famoso, mas não há como negar que não é a mesma coisa; seu escritório em casa não é um salão de convenções cavernoso com uma tela de 15 metros, e não importa o quão bem abastecido seu refrigerador esteja, ele provavelmente não pode se comparar ao buffet Bellagio.

No entanto, uma coisa que não falta na CES totalmente digital deste ano é a inovação. Com 200 sessões e 1,8 mil expositores líderes da indústria, os insights fluindo do espaço virtual da CES rivalizam com os de qualquer edição anterior em Las Vegas – e talvez ainda mais após um ano que foi tudo menos o usual.

Metropolitan Museum of Art e Verizon apresentaram projeto de experiência interativa “The Met Unframed”(crédito: divulgação)

Carros elétricos
Já se passaram dois anos desde o último Salão Internacional do Automóvel da América do Norte, e com o próximo agendado para começar apenas em setembro, a CES se tornou um estágio intermediário para discutir e apresentar inovações no mundo automotivo – especialmente quando se trata da categoria de alta tecnologia de veículos elétricos.

As maiores notícias da categoria vieram da General Motors, que anunciou um novo negócio de veículos elétricos comerciais chamado BrightDrop que deve chegar às estradas ainda este ano com seu primeiro cliente, a FedEx. Mas a nova marca elétrica não ficará apenas em uma van de entrega, batizada de EV600. A BrightDrop oferecerá uma gama de produtos elétricos, software e serviços, confirmou a montadora. Para começar, a BrightDrop construirá cerca de 500 EV600s para a FedEx Express, disse a VP de inovação global da GM Pamela Fletcher, com cartas de intenções já em mãos de vários outros clientes não divulgados.

O futuro da TV
A TV evoluiu consideravelmente na última década, talvez mais do que qualquer outra tecnologia, e a pandemia serviu apenas para acelerar essa trajetória e a forma como a vemos. Então, para onde estamos indo? No lado da inovação da moeda, a capacidade 8K está na frente e no centro. Parece que foi ontem que as telas de plasma 4K eram de cair o queixo, mas a vida vem até você rapidamente. “Para mim, não há ovo e galinha agora”, disse Madeleine Noland, presidente da organização de definição de padrões de TV Advanced TV Systems Committee. Com a crescente adoção de 8K — que chamou a atenção da Ad Age na CES do ano passado — as emissoras agora devem criar conteúdo que tire o máximo proveito das TVs, acrescentou ela. “Os espectadores precisam ligar a TV, ir aos canais e simplesmente ‘uau’.”

Quanto à experiência moderna de assistir TV, uma das tendências mais significativas que surgiram no ano passado é como as pessoas se uniram para assistir virtualmente, disse Sandeep Gupta, VP e gerente geral da Fire TV, da Amazon, durante um painel da CES sobre streaming. Mas essa não é a única evolução que o universo da TV experimentou. Em termos de software integrado, Gupta diz que chegará um ponto em que você poderá fazer perguntas complexas a uma Alexa ultra-inteligente, como: “O que eu quero assistir a seguir?”

O streaming se esgotou?
Se você não consegue diferenciar seu Disney + de seu Paramount +, você não está sozinho. Parece que todo mundo entrou na chamada “guerra do streaming” nos últimos dois anos e, embora os executivos das principais plataformas de vídeo sob demanda digam que o mercado ainda tem espaço para crescer, não estamos longe do ponto em que os serviços de streaming concorrentes se tornarão numerosos demais para serem sustentados pelo mercado.

“Este não é um mercado onde o vencedor leva tudo”, disse Scott Reich, vice-presidente sênior de programação da Pluto TV durante um evento da CES . “Há espaço para falar sobre quantos SVODs o mercado pode suportar.” Reich diz que os provedores podem experimentar pacotes e formatos, já que os consumidores acabam criando seu próprio “pacote” de serviços fora das opções de mercado disponíveis.

Andrew McCollum, CEO do serviço de streaming de custo acessível Philo, observa que os problemas do lado do consumidor – como logins e interfaces diferentes, e a necessidade de rastrear o conteúdo nos serviços – podem sobrecarregar os usuários com opções a ponto de começarem a cancelar assinaturas. “As pessoas reclamam para nós que gostariam de não ter que usar dois aplicativos diferentes para assistir o que querem”, disse.

Festa do bloqueio
Após a violenta insurreição da semana passada no Capitólio, em Washington, quase todas as maiores empresas de mídia social, incluindo Twitter, Facebook e Instagram, tomaram a medida sem precedentes de suspender – e eventualmente banir – o presidente Donald Trump de suas respectivas plataformas. Mas só agora estamos ouvindo aqueles que foram forçados a tomar essas decisões importantes.

“Os riscos de permitir que o presidente Trump continuasse a usar nosso serviço durante este período, quando estamos tentando chegar a uma transição pacífica de poder, eram simplesmente grandes demais”, disse Carolyn Everson, vice-presidente global do Facebook Business Group.

O Facebook está lidando atualmente com uma ameaça contínua e persistente de violência, acrescentou Everson, reconhecendo como foi uma medida drástica — embora necessária — para a rede social tirar “o líder do mundo livre do Facebook”.

Atrações imersivas
Quando a CES decidiu levar seu show para a estrada virtual, organizadores, marcas patrocinadoras e expositores receberam uma tarefa coletiva: fazer os participantes se sentirem o mais absortos possível no espetáculo do conforto de suas casas. Uma solução? Realidade envolvente.

Essa tecnologia pode muito bem ser o futuro do conteúdo experiencial, pelo menos até que a pandemia seja controlada e os eventos físicos retornem. Em duas semanas em 2021, a Verizon parece estar liderando o movimento. Durante uma prévia na CES, a gigante das telecomunicações anunciou uma parceria com a Sony Music Entertainment e a cantora Madison Beer para um concerto de realidade imersiva sob demanda disponível através do PlayStation VR, Oculus VR e canais de vídeo online. Ambientado em uma recriação digital do Sony Hall, de Nova York, o show apresentará Beer “como um avatar virtual ultra-realista em uma nova vitrine que está por vir, alimentada por inovações de ponta em tecnologia de criação 3D em tempo real”, disseram as empresas em um comunicado.

Em seu evento de estreia na CES na segunda-feira, a Verizon também lançou “The Met Unframed”, uma experiência interativa em cooperação com o Metropolitan Museum of Art, que foi projetada para destacar as capacidades de realidade aumentada e a nova tecnologia 5G.

*Tradução: Fernando Murad

Crédito da imagem do alto: Koto Feja/iStock

Publicidade

Compartilhe