Facebook é questionado por anúncios a antissemitas

Buscar
Publicidade

Mídia

Facebook é questionado por anúncios a antissemitas

Relatório da ProPublica aponta que plataforma estava permitindo o direcionamento de publicidade a grupos que espalham “discurso de ódio”


15 de setembro de 2017 - 13h21

O Facebok está gerenciando uma crise relacionada à “brand safety” após o site ProPublica divulgar um relatório mostrando que a plataforma permitia segmentar o direcionamento de seus anúncios para grupos antissemitas. De acordo com o ProPublica, era possível selecionar categorias como “inimigos de judeus”, por exemplo.

Ainda de acordo com a reportagem, cerca de 2.274 pessoas na rede social utilizaram tal segmentação. Rob Leathern, diretor de gerenciamento de produtos do Facebook, se justificou por e-mail à ProPublica afirmando que, ainda que a política da plataforma seja de banir o discurso de ódio, quando isso ocorrer existe o banimento o mais rápido possível.

“Nossos padrões proíbem estritamente atacar as pessoas com base em suas características protegidas, incluindo a religião, e nós proibimos os anunciantes de discriminar as pessoas com base na religião e outros atributos. No entanto, há momentos em que o conteúdo é exibido na nossa plataforma que viola nossos padrões. Neste caso, removemos os campos de segmentação associados em questão. Sabemos que temos mais trabalho a fazer, por isso também estamos criando novas barreiras no nosso produto e revisamos processos para evitar que outras questões como esta aconteçam no futuro”, disse Leathern.

Esta não foi a primeira vez que a Pro Publica encontrou possibilidades de segmentação de anúncios desconcertantes no Facebook. No ano passado, o grupo de jornalismo sem fins lucrativos descobriu a capacidade de excluir certos grupos étnicos de anúncios exibidos, o que suscitou preocupações de que os anunciantes de imóveis pudessem discriminar as minorias. É ilegal discriminar ao promover a habitação e as oportunidades.

Em um texto publicado nesta quinta-feira, 14, em sua página oficial, o Facebook afirmou que, em alguns casos, tipos de segmentação relacionadas a respostas ofensivas são identificados e removidos. ” Queremos que o Facebook seja um lugar seguro para pessoas e empresas, e continuaremos a fazer tudo o que pudermos para evitar o ódio do Facebook. Os anunciantes podem reportar quaisquer campos de segmentação inadequados diretamente na interface de anúncios ou por meio da nossa Central de Ajuda.”

Brand Safety

Casos de anúncios em contextos de ódio ou violência são motivos de discussão pelo mercado desde o início do ano. Em março, anunciantes do Reino Unido iniciaram um boicote ao Google após uma matéria do jornal The Guardian revelar que anúncios de várias marcas conhecidas estariam sendo veiculados em páginas extremistas. O caso chegou aos Estados Unidos e fez com que o Google e o YouTube mudassem suas políticas de brand safety.

Publicidade

Compartilhe

Veja também