Netflix: o papel do futurismo na criação de roteiros

Buscar

Mídia

Publicidade

Netflix: o papel do futurismo na criação de roteiros

Dos mesmos criadores de 3%, Onisciente se inspirou na realidade para desenvolver trama com drones e cidade vigiada

Luiz Gustavo Pacete
11 de fevereiro de 2020 - 6h00

 

Baseada em um futuro próximo, a série possui drones, cidade vigiada e tecnologias emergentes (Crédito: Reprodução)

Tech Advisor. Essa foi uma das funções fundamentais para o aprimoramento do roteiro de Onisciente, nova série de ficção brasileira da Netflix. A trama é ambientada em um futuro próximo em uma cidade cheia de drones e vigilância 24 horas e tem a produção executiva de Pedro Aguilera e direção de Isabel Valiante e Julia Jordão, também responsáveis pela série 3%. O profissional responsável pela consultoria de tecnologia foi Roberto Frossard, que, apesar de ter atuado de forma independente na série, é consultor de futuros emergentes da Accenture.

De acordo com Frossard, sua aproximação com os roteiristas se deu em uma visita ao laboratório de pesquisa da Accenture, onde são desenvolvidas dinâmicas e protótipos utilizando diversos tipos de tecnologias. “Conheci o (Pedro) Aguillera que é o roteirista da série quando ele levou o time para uma visita à nossa garagem de inovação. Eles estavam escrevendo a segunda temporada da série 3% e ele me disse que gostaria de contar com a minha colaboração para a próxima série que estava escrevendo após mostrarmos soluções com tecnologias emergentes como IA embarcadas nos drones e realidade aumentada”, conta Frossard.

Como consultor, Frossard se reuniu com o time de roteiristas para orientar sobre vários tipos e possibilidades de tecnologia. “Me reuni com o time de roteiristas, pois queriam entender se a tecnologia de hoje e no futuro próximo faria sentido em algumas das cenas e conceitos da série. Na teoria, a contribuição seria somente nesse momento, porém fomos (eu, e meus colegas Daniel Gonzalez e Daniel Franulovic) em mais algumas reuniões com o time de roteiristas, produção e arte/criação”, explica, concluindo que até um laboratório com os atores para mostrar como alguns gadgets e as diferentes tecnologias deveriam ser representadas nas filmagens foi desenvolvido.

“Para esse trabalho, em termos de tecnologia, me apoiei bastante em experiências anteriores, mas principalmente em experts que trabalham comigo – desde IA (visão computacional para análise de imagens), robótica (funcionamento dos drones) e cybersegurança. Tendências foi um mix de aprendizados que tive de uma visita recente que havia feito à China e até estudos ou palestras de cientistas/futuristas”, diz ele. Sobre o papel da realidade ao inspirar a ficção, Frossard reforça a relação entre história e tecnologia. “Acredito que quem ‘estuda tendências’ acaba sempre se inspirando no passado, pois é uma evolução natural para a população. Porém sempre vão existir os ‘inovadores disruptivos’ que serão imprevisíveis e vão fazer algo que não é uma evolução”, afirma.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Inovação

  • tecnologia

  • Conteúdo

  • entretenimento

  • Netflix

  • tendências

  • Séries

  • Accenture

  • Ficção

  • Roteiro

  • onisciente

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”