Cade pretende ampliar investigação sobre BV

Buscar

Mídia

Publicidade

Cade pretende ampliar investigação sobre BV

Após abrir inquérito sobre uso da bonificação por volume pela Globo, Conselho Administrativo de Defesa Econômica diz que analisará também a prática em empresas líderes no digital e demais meios


14 de dezembro de 2020 - 6h00

(Crédito: iStock)


Por Alexandre Zaghi Lemos e Bárbara Sacchitiello

Após adotar, de forma preventiva, medidas restritivas em relação ao pagamento de bonificação por volume (BV) pela Globo às agências de publicidade, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) afirma que pretende analisar também a prática em empresas líderes em outras mídias, como as digitais. A informação foi dada à reportagem na sexta-feira, 11, pela assessoria de comunicação social do Cade. “O Cade irá analisar a situação em mídias digitais e demais empresas que praticam a conduta e possuem posição dominante”, diz uma das respostas aos questionamentos enviados por Meio & Mensagem.

No início do mês, a Superintendência Executiva do Cade instaurou inquérito administrativo para apurar indícios de “condutas anticompetitivas” do Grupo Globo, considerando que a prática do BV pelo conglomerado de mídia “pode caracterizar infração à ordem econômica de abuso de posição dominante”. Além disso, tomou uma medida preventiva que restringe a atuação comercial da Globo, ao determinar que não sejam feitos novos contratos de planos de inventivo com as agências de publicidade e nem sejam realizados pagamentos antecipados de BV previstos em contratos vigentes ou futuros, sob pena de multa diária de R$ 20 mil. De acordo com a assessoria do Cade, a medida afeta apenas a empresa porque “tem em consideração que a Globo é a única com posição dominante no mercado”.

A defesa da Globo neste processo será feita pela Sampaio Ferraz Advogados. A reportagem entrou em contato com um dos integrantes da equipe de defesa, que preferiu não se manifestar, e com a própria Globo. Por meio de sua área de comunicação, a empresa disse que “está avaliando as medidas legais cabíveis”. Já a assessoria do Cade informou que não há prazo para que a Globo se manifeste, assim como não há uma previsão de quando o caso será concluído.

O rito do processo entra agora em uma fase chamada de “instrução processual”. Após concluída, a Superintendência-Geral emite um parecer e remete o caso ao Tribunal do Cade para julgamento, opinando pelo arquivamento dos autos ou pela condenação dos investigados, caso seja configurada a infração à ordem econômica.

A investigação de práticas anticompetitivas por parte da Globo foi aberta em fevereiro, por iniciativa do próprio Cade. Seguiu com questionamentos feitos por ofícios enviados a agências de publicidade, anunciantes e emissoras de televisão, nos quais foram solicitadas informações sobre contratos de veiculação de publicidade, pagamentos de planos de incentivo dos veículos para as agências e representatividade desses valores no faturamento das agências. Segundo o Cade, inicialmente as agências se recusaram a responder, alegando que seus contratos são sigilosos – somente uma enviou as informações no prazo estipulado pela autarquia. Diante das negativas, o Cade expediu novos ofícios dando prazo de 48 horas para receber as informações completas. Nesta segunda abordagem, todas as agências contatadas responderam.

Embora o próprio documento do Cade que embasa a abertura do inquérito contra a Globo reconheça que o BV é um instrumento legal que encontra amparo no regulamento do Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp) e está previsto na legislação que trata das contratações de serviço de publicidade pela Administração Pública desde 2010, as grandes agências e as entidades que as representam têm receio de que o processo possa avançar sobre essa que é uma das principais fontes de receita, pelo menos para as maiores agências do País.

Publicidade

Compartilhe