Facebook cria cargo de VP de direitos civis nos EUA

Buscar

Mídia

Publicidade

Facebook cria cargo de VP de direitos civis nos EUA

Posição será ocupada pelo advogado Roy Austin Jr. que participou do governo de Barack Obama


12 de janeiro de 2021 - 6h00

Advogado Roy Austin Jr. assume a nova vice-presidência da companhia (Crédito: Divulgação/Facebook)

O Facebook criou o cargo de vice-presidente de direitos civis. A nova posição será ocupada por Roy Austin Jr, advogado e defensor dos direitos civis  que, de 2014 a 2017, participou do conselho de política doméstica na Casa Branca, durante o governo de Barack Obama.

A criação do cargo é uma resposta às demandas feitas por entidades ligadas aos direitos civis dos Estados Unidos, como a Anti-Defamation League e NAACP (sigla de Associação Nacional pelo Progresso de Pessoas de Cor), que no ano passado encabeçaram o movimento #StopHateForProfit, que pedia aos anunciantes que retirassem sua publicidade da rede social por um mês (no caso, em julho de 2020). Entre os pedidos das entidades à rede social estava a criação de uma liderança específica para as pautas de diretos civis.

A contratação de Austin Jr. foi anunciada nessa segunda-feira, 12, com a proposta de levar para dentro da companhia um maior entendimento sobre as demandas e necessidades dos negros e de outros grupos marginalizados. “Além de contratar Roy Austin como nosso VP de Direitos Civis, também estamos trabalhando para trazer mais expertise sobre o assunto em nossas áreas centrais. Nós estamos em processo de desenvolvimento de treinamentos sobre direitos civis aos nossos funcionários e de desenvolvimento de políticas e produtos sobre o tema, em parceria com o escritório de advocacia de direitos civis Relman Colfax”, declarou o Facebook, em comunicado.

A criação do cargo acontece em um momento urgente nos Estados Unidos, com a nação lidando com a insurreição ocorrida no Capitólio, na semana passada, um ato que foi parcialmente instigado pela retórica raivosa presente nas mídias sociais. A invasão deixou cinco mortos em Washington D.C e aterrorizou os membros do Congresso. Muitos dos presentes no ano são usuários ativos das redes sociais. O próprio presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi considerado um desses instigadores, por conta do tom de suas publicações no Facebook e Twitter (essa última rede social, inclusive, baniu definitivamente a conta de Trump na última sexta-feira, 9).

Em junho de 2020, diversas entidades ligadas aos direitos civis se reuniram com o Facebook para alertar sobre a forma como grupos violentos vinham usando a plataforma para disseminar discursos de ódio e instigar a violência nas ruas na época em que diversas cidades dos Estados Unidos viam crescer as manifestações pelo assassinato de George Floyd, que acabou suscitando debates e protestos sobre violência policial e racismo. Na época, Donald Trump usou as redes sociais para comentar sobe os protestos e publicou que, quando começassem os saques, também começariam os tiros, instigando a repressão violenta por parte da polícia. Executivos do Facebook fizeram reuniões com representantes das entidades e uma das principais reivindicações era a contratação de um executivo responsável pelo atendimento às pautas e aos assuntos relativos aos direitos civis.

O novo VP de Direitos Civis
Antes de ser contratado pelo Facebook, Roy Austin Jr. era sócio do escritório de advocacia Harris, Wiltshire & Grannis LLP, especializado em defesa criminal e direito civil. Com mais de 25 anos de experiência na área, Austin iniciou a carreira como advogado da seção criminal da divisão dos direitos civis o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

No governo de Barack Obama, o advogado ocupou diversas posições, sendo, até 2014, procurador geral adjunto da divisão de direitos civis do departamento de justiça. De 2014 a 2017 trabalhou no conselho de política doméstica da Casa Branca, como assistente adjunto do presidente para o escritório de assuntos urbanos, justiça e oportunidades. Nessa função, foi co-autor de um relatório sobre big data e direitos civis, trabalhando na “Task Force on 21st Century Policing”, de Obama. Também ajudou a desenvolver outros programas de governo, como a “Police Data Initiative” e foi membro da “My Brother’s Keeper Task Force”.

Com informações do Advertising Age

Publicidade

Compartilhe