CEO do Spotify pede desculpas, mas não descarta Joe Rogan

Buscar
Publicidade

Mídia

CEO do Spotify pede desculpas, mas não descarta Joe Rogan

Daniel Ek pediu desculpas à equipe pelo impacto que a polêmica do podcast teve sobre eles


8 de fevereiro de 2022 - 6h02

Declarações de Joe Rogan em seu podcast no Spotify faz artistas saírem da plataforma (Crédito: Shutterstock)

O Spotify enfrenta uma série de boicotes de artistas que são contra o podcast do humorista e apresentador Joe Rogan por espalhar desinformação sobre a Covid-19. A polêmica teve início quando a plataforma optou por permanecer com Rogan, e atendeu ao pedido de Neil Young para retirar suas músicas do app como forma de protesto. Até então, Daniel Ek, CEO do Spotify, não tinha se pronunciado a respeito do caso, mas nesta segunda-feira, 7, o executivo pediu desculpas à equipe pelo impacto que a polêmica teve sobre eles, mas afirmou que não concordou com os pedidos para retirar o podcast do serviço.

“Não há palavras que eu possa dizer para transmitir adequadamente o quanto eu lamento profundamente a forma como a controvérsia de ‘The Joe Rogan Experience’ continua a impactar cada um de vocês”, comentou o CEO, em uma carta à equipe, vista pela Bloomberg News e verificada por um porta-voz do Spotify. Ek ainda deixou claro que alguns dos comentários “incrivelmente dolorosos” de Rogan não representam os valores da empresa. “Eu sei que essa situação deixa muitos de vocês se sentindo esgotados, frustrados e não-ouvidos”, reforçou.

Na sexta-feira, 4, circulou na internet uma compilação de vídeos de Rogan usando a N-word (termo racista e extremamente ofensivo que significa Nigga). Em um post no Instagram, o humorista descreveu o vídeo como “horrível” e disse que era a “coisa mais lamentável e vergonhosa” que ele já teve que falar.

No sábado, 5, Rogan pediu desculpas por usar o insulto racial em episódios anteriores de seu podcast. No mesmo dia, mais de 100 episódios do programa do humorista foram removidos do Spotify. O site JRE Missing, que monitora a remoção dos programas do humorista, informou que até a noite de sábado, um total de 113 episódios do podcast não estavam mais disponíveis.

O Spotify não informou qual foi o critério de exclusão dos episódios, mas segundo a Bloomberg, foi uma decisão do apresentador. A Forbes informou que, com exceção de um deles, todos os episódios que foram retirados foram gravados antes da pandemia, o que mostra que a remoção não tem relação com as falas de Rogan sobre a Covid-19.

Na semana passada, o humorista prometeu mais equilíbrio e melhor pesquisa para seu podcast em um pedido de desculpas separado destinado a conter a crescente polêmica, que levou músicos como Neil Young e Joni Mitchell a remover suas músicas da plataforma.

Na carta, relatada anteriormente pelo The Hollywood Reporter, Ek falou que embora condene veementemente o que Rogan disse, e concorde com sua decisão de remover episódios anteriores da plataforma, percebe que algumas pessoas vão querer mais. “Quero deixar um ponto bem claro – não acredito que silenciar Joe seja a resposta”, completou Ek. “Devemos ter limites claros em torno do conteúdo e agir quando eles são ultrapassados, mas cancelar vozes é uma ladeira escorregadia”. Em vez disso, o CEO afirmou que o Spotify investiria US$ 100 milhões no licenciamento, desenvolvimento e marketing de música e conteúdo de áudio de grupos historicamente marginalizados.

** Com informações do Advertising Age

Publicidade

Compartilhe

Veja também