Netflix pretende implementar anúncios na plataforma ainda em 2022

Buscar
Publicidade

Mídia

Netflix pretende implementar anúncios na plataforma ainda em 2022

Assinaturas com publicidade e veto ao compartilhamento de senhas estão previstos para o último trimestre

Amanda Schnaider
12 de maio de 2022 - 7h34

Recentemente, a Netflix anunciou que está planejando criar um serviço de assinatura mais barato, com a inclusão de anúncios publicitários. Ao contrário do que o mercado esperava, esse plano está prestes a virar realidade.

A previsão é que a empresa lance essa nova modalidade de assinatura até o final deste ano. De acordo com reportagem do The New York Times, a decisão foi enviada aos funcionários da plataforma em um memorando nesta terça-feira, 10.

 

Netflix planeja criar assinaturas com anúncios ainda em 2022 (Crédito: Hocus Focus)

Segundo fontes internas do jornal, os executivos da Netflix pretendem lançar a nova modalidade nos últimos três meses de 2022. Ainda não se sabe como será o formato da publicidade, nem a frequência de exibição dos anúncios durante filmes ou séries. Também não há informações sobre a chegada do novo modelo ao Brasil.

Para Aline Pardos, consultora do mercado de streaming e audiovisual, com esse novo modelo de assinaturas, a Netflix está seguindo um movimento dos outros concorrentes que já fazem o mesmo, como é caso da Amazon e da HBO Max. A Amazon, inclusive, ajustou recentemente o valor das suas assinaturas no Brasil. Após três anos, a assinatura do Prime Video passará de R$ 9,90 ao mês para R$ 14,90 no próximo dia 20.

No memorando, a Netflix também revela que planeja começar a impedir o compartilhamento de senhas entre sua base de assinantes ainda em 2022. Essa diretriz já havia sido anunciada pela companhia em março desse ano. A nova regra começou a ser aplicada, como teste, para os assinantes da plataforma no Chile, Costa Rica e Peru. Para Aline, essa mudança terá um primeiro impacto com relação aos cancelamentos. “Por outro lado, não tenho dúvida de que a Netflix tem uma carta na manga e vai oferecer uma opção para uma parte desse público continuar assinando, se vai ser um valor promocional, se vai ser um AVOD, não sabemos ainda, mas alguma estratégia com certeza vai ser definida para o impacto não ser muito grande”, reforça.

Todas essas mudanças na Netflix vêm após a empresa reportar uma queda de 200 mil assinantes no primeiro trimestre do ano, a primeira em uma década. Com esse anúncio, as ações da companhia recuaram 35% na Nasdaq, Bolsa de Valores de tecnologia dos Estados Unidos. Com isso, o valor de mercado da empresa caiu US$ 54,3 bilhões e a empresa não alcançou a meta de 2,5 milhões de usuários totais que havia estabelecido para o período e ainda projetou uma perda de mais dois milhões nos próximos meses.

Publicidade

Compartilhe

Veja também