As mídias sociais são espaços de liberdade?

Buscar
Publicidade

Opinião

As mídias sociais são espaços de liberdade?

Se, de um lado, sinaliza propostas de transparência, de outro, passado de Elon Musk indica conceitos de liberdade de expressão particulares quando a opinião é contrária à sua


24 de maio de 2022 - 6h00

Nas mídias sociais qualquer pessoa pode ser um produtor de informações e opiniões. A capacidade de viralização de conteúdo nas plataformas possibilita que informações de um indivíduo ou grupo alcancem milhões de pessoas rapidamente.

Essa nova realidade teve impactos sísmicos na comunicação e na forma das pessoas obterem informações, influenciando diretamente na formação da opinião pública em diversas áreas como: eleições, negócios e valores difundidos na sociedade. Portanto, é fato que as plataformas de mídias sociais se tornaram um dos pilares das relações na sociedade moderna.

 

Quando discutimos liberdade de expressão nas mídias sociais, o desafio crítico e concreto é: quando, como e por que moderar (Crédito: Shuttterstock)

Dentro desse contexto, a questão da liberdade de expressão individual tem dilemas que não existiam. Como garantir a liberdade de expressão de ideias e, ao mesmo tempo, limitar a difusão de discursos de ódio ou fake news que podem ser nocivos para a própria sociedade?

A possível aquisição do Twitter por Elon Musk reacendeu o debate sobre esse tema. Ao se afirmar como um “absolutista da liberdade de expressão” e sinalizar que fará mudanças na plataforma, ele se colocou no centro da discussão.

Por um lado, suas propostas de divulgar os algoritmos – que definem a difusão de um conteúdo – e eliminar com os robôs na plataforma estão na direção positiva de maior transparência. Por outro, suas ações passadas indicam que seus conceitos de liberdade de expressão são particulares quando a opinião é contrária à sua perspectiva.

A princípio, Musk parece mais interessado na capacidade de influenciar narrativas do que no potencial de gerar lucro. Nas palavras dele: “Eu não me importo com os números financeiros [do Twitter]”. Afinal, o Twitter é o “patinho feio” entre as big techs e não tem entregado um lucro consistente. Se entendermos as plataformas de mídias sociais como um veículo de comunicação ou de influência da opinião pública, o movimento de Musk não é nada diferente do que bilionários fizeram no passado ao comprarem jornais e conglomerados de comunicação.

Um dos paradoxos das novas tecnologias é a destituição dos antigos guardiões da informação, como magnatas da mídia, mas a criação de novos. Musk se junta a Mark Zuckerberg da Meta, Sundar Pichai do Google, Shouzi Chew do TikTok e Tim Cook, da Apple. Alguns poucos líderes empresariais têm enorme influência sobre conceder ou negar acesso a plataformas e a forma que informações serão ou não difundidas. A compra do Twitter por Musk não vai mudar isso. Podemos não querer que esse punhado de pessoas tenha tanto poder, mas a realidade é que eles têm.

Neste sentido, quando discutimos liberdade de expressão nas mídias sociais, o desafio crítico e concreto é: quando, como e por que moderar. E ainda qual seria o processo e as pessoas que fariam essas escolhas?

Liberdade de expressão é diferente de liberdade de agressão. A partir do momento em que uma “opinião” protege, compactua ou fomenta ideias nazistas, racistas ou homofóbicas ela coloca em risco a vida de uma pessoa ou de uma comunidade. Sim, ideias e narrativas formam um pano de fundo perigoso que pode levar a consequências trágicas.

O Twitter e outras plataformas estão em posição de prejudicar potencialmente a liberdade de expressão e a democracia quando intervêm demais no que as pessoas publicam online e quando não o fazem. Como sociedade, precisamos de um debate profundo, transparência das empresas e regulamentação adequada para termos equilíbrio entre o debate saudável de ideias versus a difusão de ódio e de desinformação nociva à sociedade.

Publicidade

Compartilhe

Veja também