Endemol reestreia estúdios Vera Cruz com The Wall

Buscar

Últimas notícias

Publicidade

Endemol reestreia estúdios Vera Cruz com The Wall

Produtora grava no histórico complexo do ABC paulista décadas após última filmagem no local


15 de setembro de 2017 - 14h13

O Pavilhão e Estúdio Vera Cruz voltará a receber equipes de filmagem neste mês. A Endemol Shine Brasil será a primeira empresa de audiovisual a produzir dentro do espaço, quase 60 anos depois da última vez em que o espaço recebeu esse tipo de atividade.

Cena de episódio da versão americana de The Wall (Ben Cohen/NBC/Divulgação)

A empresa pretende gravar o formato The Wall, game show americano que mistura quiz com uma parede de mais de 13 metros de altura, lembrando uma versão gigante do clássico Lig-4, que dá prêmios em dinheiro. Quatro edições latinas serão produzidas no local, para Argentina, Chile, Colômbia e Uruguai.

A versão brasileira está em fase de negociação. O SBT já teria tentado comprar o formato anteriormente, mas não teve sucesso. Em agosto, Silvio Santos estreou o quadro o “Jogo das Fichas”, que lembra muito The Wall. Convidada a comentar, a Endemol disse que não se posicionará a respeito.

História do cinema
A Vera Cruz está na história do cinema internacional, já que muitas de suas produções ganharam prêmios internacionais, incluindo uma Palma de Ouro em Cannes para O Cangaceiro, de Lima Barreto, em 1953. Entre os artistas que passaram por suas produções, estiveram Paulo Autran, John Herbert, Renato Consorte, Tônia Carrero, Anselmo Duarte, Ruth de Souza, Mazzaropi e Cleide Yáconis.

Equipe em gravação de O Cangaceiro, na antiga Vera Cruz (Crédito: Reprodução)

O projeto nasceu em 1949 da idealização de industrial Ciccillo Matarazzo. Mecenas e milionário, ele havia iniciado anos antes a investir em projetos culturais variados em São Paulo, como o Museu de Arte Moderno e o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). Este foi realizado em conjunto com o engenheiro Franco Zampari, que também o ajudou a planejar e construir o mega estúdio em uma área de 100 mil metros em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo.

As atividades cinematográficas só duraram, porém, oito anos, e o estúdio foi desativado em 1954 — um dos motivos apontados é a intensa concorrência com as grandes produções internacionais e suas distribuidoras. Desde então, o espaço vinha sendo usado para eventos, feiras e congressos.

Em 2015, a prefeitura da cidade realizou um edital que concedia a exploração do espaço a título de revitalização e manutenção, que acabou conquistado pela Telem SA, empresa do setor de cenografia, palco e iluminação. Sem cumprir com o contrato, a prefeitura readquiriu a concessão e colocou em processo o projeto de revitalização e retorno do espaço para produções de audioviusal.

Publicidade

Compartilhe

Comente