Cinco tendências globais para alimentos e bebidas

Buscar

Cinco tendências globais para alimentos e bebidas

Buscar
Publicidade

Marketing

Cinco tendências globais para alimentos e bebidas

Estudo da inglesa Mintel resume os rumos que o setor deverá tomar em 2018


17 de janeiro de 2018 - 15h29

Tecnologia deve transformar produção, levando-a de fazendas e fábricas aos laboratórios (Crédito: SXC/ Freeimages)

Uma das principais empresas em inteligência de mercado e consultoria, a Mintel divulgou nesta quarta-feira, 17, os resultados de um estudo que procurou detectar quais são as principais tendências para o setor de alimento e bebidas, com base, inclusive, no que o consumidor espera dos players desses segmentos e naquilo que ele não quer mais engolir.

Em resumo, a análise aponta que as empresas terão de se ocupar muito mais com a questão da transparência sobre o que vendem, fornecer produtos que deem “conforto” a um consumidor que valoriza diferentes texturas, sensações e personalização. Outro movimento deverá ser o crescimento dos alimentos produzidos cientificamente em laboratório (alguém lembra do hambúrguer sem carne, que tem envolvimento até de empresas como o Google?).

“Em 2018, a Mintel prevê oportunidades para fabricantes e varejistas que ajudarão os consumidores a recuperar a confiança em alimentos e bebidas e a aliviar o estresse através de dietas balanceadas e também por experiências memoráveis do que comem ou bebem. Há também um novo grande capítulo a despontar pelo qual a tecnologia irá ajudar as marcas e varejistas a desenvolverem conexões mais personalizadas com compradores, enquanto empresas modernas estão usando projetos científicos para criar uma nova e emocionante geração de alimentos e bebidas sustentáveis”, afirma Jenny Zegler, Especialista Global de Alimentos e Bebidas da Mintel.

Veja a seguir, as tendências para o setor em 2018, definidas por Jenny:

 

Transparência Total

A desconfiança generalizada exerce pressão sobre os fabricantes para que ofereçam informações detalhadas e honestas sobre como, onde e quando alimentos e bebidas são cultivados, colhidos, feitos e vendidos. A necessidade de garantir a segurança e a confiabilidade de alimentos e bebidas levou ao aumento do uso de posicionamentos naturais, éticos e ambientais em uma escala global. Além de detalhes mais específicos, a próxima onda de rótulos limpos desafiará fabricantes e varejistas a democratizar a transparência e a rastreabilidade para que os produtos sejam acessíveis a todos os consumidores, independentemente da renda familiar.

 

Práticas de Autorrealização

O ritmo frenético da vida moderna, conectividade constante, desconfiança e atitude controversa na política e nos meios de comunicação fizeram com que muitos consumidores buscassem maneiras de escapar da negatividade em suas vidas. Pessoas que se sentem sobrecarregadas concentram-se no “autocuidado”, priorizando o tempo e os esforços dedicados a si mesmas. Definições individuais de autocuidado e equilíbrio farão com que uma grande variedade de formatos, formulações e porções de alimentos e bebidas sejam produzidos. Esses produtos devem oferecer soluções e tratamentos que possam ser incorporados em definições customizadas e flexíveis de saúde e bem-estar. Mais consumidores estarão à procura de ingredientes, produtos e combinações de alimentos e bebidas que proporcionem benefícios nutricionais, físicos ou emocionais.

 

Novas sensações

Em 2018, o som, a sensação e a satisfação fornecidos pela textura se tornarão mais importantes para empresas e consumidores de alimentos e bebidas. A textura é a próxima característica da formulação que pode receber investimento para proporcionar aos consumidores experiências interativas e que possam ser documentadas. A busca de experiências proporcionará oportunidades para alimentos e bebidas multissensoriais que usem textura diferenciada, oferecendo aos consumidores  –  especialmente aos adolescentes e jovens adultos da iGeneration  –  conexões tangíveis ao mundo real, assim como momentos para compartilhar pessoalmente ou online.

 

Tratamento preferencial

Como a tecnologia nos ajuda comprar de forma mais fácil, surge uma nova onda de promoções e produtos específicos. Motivados pelo potencial de economizar tempo e dinheiro, os consumidores experimentam uma variedade de canais e tecnologias ao adquirirem alimentos e bebidas, como entrega em domicílio, serviços de assinatura e reposição automática. Indústrias e varejistas podem aproveitar a tecnologia, estabelecendo novos níveis de eficiência, como recomendações personalizadas, combinações que cruzam diferentes categorias e soluções criativas que economizem tempo, esforço e energia do consumidor. Existem oportunidades para as empresas atraírem os consumidores através da criação de produtos, sugerindo combinações de itens e outras opções em diferentes categorias de consumo que tornam as compras mais eficientes e acessíveis para os clientes.

 

Feira de ciências

Uma revolução tecnológica está influenciando a fabricação de produtos. Algumas empresas visionárias estão desenvolvendo soluções que podem substituir fazendas e fábricas tradicionais pela produção científica de ingredientes e produtos acabados em laboratórios. Em 2018, a tecnologia começará a desfazer a cadeia tradicional de alimentos. Enquanto alimentos e bebidas sintéticos e de laboratório começam a surgir, a tecnologia poderia acelerar esse processo. Assim, cresceria o consumo por alimentos e bebidas criados cientificamente, indo além dos compradores preocupados com o meio ambiente, mas alcançando também aqueles focados na consistência, eficácia e pureza dos ingredientes.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele