Omelete traz Gamescom ao Brasil para fomentar mercado de games

Buscar

Omelete traz Gamescom ao Brasil para fomentar mercado de games

Buscar
Publicidade

Mídia

Omelete traz Gamescom ao Brasil para fomentar mercado de games

Em parceria com Governo do Estado de São Paulo, Gamescom Latam acontecerá em junho de 2024 e visa ser catalisador para indústria de games


28 de novembro de 2023 - 16h39

Colaborou Bárbara Sacchitiello

Entre 26 e 30 de junho de 2024, o Omelete & Co. realizará a primeira edição da Gamescom no Brasil. O festival, voltado a divulgar títulos de jogos eletrônicos para o público e fomentar negócios no mercado de games, acontece anualmente em Colônia, na Alemanha. Agora, em sociedade com a Koelnmesse, organizadora do evento, a Omelete & Co. traz o evento ao Brasil com a expectativa de atrair 100 mil pessoas.

Gamescom Latam espera reunir 100 mil pessoas (Crédito: Divulgação)

Gamescom Latam espera reunir 100 mil pessoas (Crédito: Divulgação)

A chegada do evento na América Latina foi anunciada oficialmente durante o Unlock, evento de negócios da CCXP, que iniciou nesta terça-feira, 24. O anúncio contou com as presenças de representantes da Koelnmesse, do Consulado da Alemanha no Brasil, bem como da Prefeitura de São Paulo, da Apex e da Abragames e do Governo do Estado.

A Gamescom Latam foi viabilizada com base na sociedade entre a Omelete & Co e a Koelnmesse, junto à Associação Alemã da Indústria de Jogos (Game).

CEO do BIG Festival, evento de games que já fazia parte do portfólio da Omelete & Co, e, a partir de agora, também CEO da Gamescom Latam, Gustavo Steinberg explicou que a chegada do evento ao País é fruto de mais de um ano e meio de negociações com as organizações e relembrou a trajetória de crescimento do BIG Festival.

“Começamos há 12 anos, com uma pequena sala dentro do Museu da Imagem e do Som, em São Paulo e conseguimos, no ano passado, atrair mais de 50 mil pessoas ao BIG Festival. Agora, realizamos o sonho de trazer o maior evento de Games do mundo ao Brasil”, celebrou.

“Estamos muito animados em trazer esse evento ao Brasil e por essa conversa ter se tornado realidade”, declarou Albert Koch, diretor e membro do board da Koelnmesse. O executivo apresentou um pouco da programação da Gamescom em Colônia, na Alemanha, que será trazida ao Brasil, como a conferência de desenvolvedores, arenas de eventos e entretenimentos, lives com influenciadores, creators space, indie arena, áreas de business e a Gamescom City. “Em Colonia, a Gamescom envolve a cidade toda e queremos fazer isso nesse pólo tão importante para a indústria de games como São Paulo”, disse.

Apesar de se tratar de uma sociedade, o Games será 100% operado pela Omelete & Co. Dessa forma, o BIG Festival se torna parte da Gamescom Latam, como uma premiação dos melhores games mundiais.

O Governo do Estado de São Paulo informou que já está garantida uma verba de R$ 6 milhões para a realização da Gamescom nos anos de 2024, 2025 e 2026.

Ao se tornar sócia do BIG Festival, a Omelete&Co já tinha a intenção de expandir o festival e transformá-lo de B2B para B2C com uma ampliação das experiências oferecidas ao público e o envolvimento de mais empresas. No primeiro ano de parceria, o BIG Festival conseguiu ampliar seu público de cinco mil pessoas para 50 mil.

No contexto da Gamescom, a expectativa é dobrar o número de participantes e atrair desenvolvedoras asiáticas, com as quais a CCXP ou o BIG não tiveram contato expressivo.

Como a Gamescom veio parar no Brasil?

O namoro é antigo, afirma Mantovani. Em 2016, uma equipe da Omelete&Co foi à Alemanha com o intuito de trazer a Gamescom para o Brasil. A Koelnmesse acreditava que o evento ainda não estava pronto para ganhar territórios internacionais, mas se interessou em trazer a CCXP para a Alemanha. Foi assim que surgiu a CCXP Cologne em 2019. Conforme o CEO, o evento não teve novas edições em decorrência da pandemia e da Guerra entre Rússia e Ucrânia.

Em contrapartida, a Gamescom deste ano homenageou o Brasil e o Omelete, junto ao governo da Alemanha, conseguiu levar representantes do Governo Estadual e Municipal ao festival para apresentar aos representantes do poder público como o evento mudou a cidade de Colônia e o impacto que ele poderia ter em São Paulo.

“O governo entendeu isso de uma forma muito direta. Anunciamos a Gamescom para o grande público com o governador do Estado. Isso não tem nenhum viés político da nossa parte. O conceito é muito mais sermos uma ponta de lança da indústria de games, saber fazer o diálogo e trazer o governo a pensar na Gamescom não só como um evento, mas um catalisador de negócios para a indústria criativa”, explica Mantovani.

Qual é o objetivo da parceria com o Governo do Estado?

O CEO conta que o objetivo é instruir o governo a capacitar jovens para trabalhar nessa indústria e incentivar desenvolvedores de fora a abrirem escritórios no País e contratar mão de obra brasileira. O executivo diz que já vê movimentos do poder público em prol da indústria de games, como a inclusão dos games na Lei Paulo Gustavo e no Programa de Ação Cultural (ProAC).

“Hoje, o jovem quer trabalhar com coisas diferentes. Se não trabalharmos para criar um mercado para isso, não vamos para frente. Acho que iremos trazer valor para a cidade e para a indústria”, afirma.

Hub de games em São Paulo

Em meio ao anúncio da Gamescom, representantes da Prefeitura de São Paulo comunicaram que a cidade também ganhará um hub de games, que funcionará na região do Vale do Anhangabaú, centro da cidade.

A ideia é que o espaço seja utilizado para o trabalho de desenvolvedores e a prática de atividades relacionadas aos games.

Publicidade

Compartilhe

Veja também