Mackenzie Scott, impacto e futuros regenerativos

Buscar
Publicidade

Blog da Regina

Mackenzie Scott, impacto e futuros regenerativos

As muitas mensagens que uma mulher poderosa como Mackzenzie Scott passa ao mundo com as doações anunciadas essa semana deixam evidente a importância do olhar feminino sobre questões urgentes


24 de março de 2022 - 15h53

São várias as camadas de impacto da decisão de Mackzenzie. A primeira e mais óbvia delas é a comparação com os projetos de seu ex-marido Jeff Bezos, com quem fundou a Amazon (Crédito: Jörg Carstensen/ Getty Images)

Em tempos movediços como o atual, alguns conceitos estão passando por uma completa revisão. Um deles é o do capitalismo. Vivenciamos a transição da era do chamado capitalismo de shareholder, baseado no binômio risco-retorno, cujo objetivo é gerar retorno financeiro ao acionista, para a do capitalismo de stakeholder, das partes interessadas, no qual as empresas dialogam efetivamente com seus diferentes públicos e buscam atuar no trinômio risco-retorno-impacto. É exatamente essa última palavra – impacto – que aflora com muito vigor no contexto atual de pós pandemia e de escancaramento das desigualdades econômicas e sociais que com elas emergem. Impacto positivo e economia regenerativa já ecoam no universo dos negócios afinados com o conceito de sustentabilidade e foram potencializadas no contexto atual.

Essas novas formas de gerar (e distribuir) riqueza chamam ainda mais atenção quando assistimos ao anúncio feito nesta semana por Mackenzie Scott, a bilionária acionista da Amazon, de doar 3,8 bilhões de dólares a 465 organizações espalhadas pelo mundo. Dentre elas, estão 15 ONGs brasileiras.

São várias as camadas de impacto da decisão de Mackzenzie. A primeira e mais óbvia delas é a comparação com os projetos de seu ex-marido Jeff Bezos, com quem fundou a Amazon. Mackenzie escolhe fazer investimento de impacto para transformar realidades em escala global, mirando entidades voltadas a pautas urgentes deste mundo distópico de 2022 como direitos humanos, equidade de gênero, democracia, política, causa negra, educação infantil e pobreza, enquanto seu ex-marido trava com alguns poucos pares de multibilionários uma disputa egoica, investindo muitos bilhões de dólares em espaçonaves para colonizar outros planetas como Marte. Na escala de prioridades e emergência para nossos atuais problemas e na régua do impacto, não fica difícil assinalar qual dessas escolhas é mais efetiva para a vida das pessoas.

O segundo aspecto importante do anúncio de Mackzenzie é o fato de ter incluído o Brasil nesse rol de entidades nas quais está fazendo investimento social. Os nomes nacionais que estão no rol de Mackenzie são: BrazilFoundation, Conectas Direitos Humanos, Fundo Baobá, Fundo Brasil de Direitos Humanos, Fundo Casa Socioambiental, Fundo ELAS, Gerando Falcões, Instituto Dara, Instituto Rodrigo Mendes, Instituto Sou da Paz, Nossas, Politize, Projeto Saúde e Alegria, Redes da Maré e Vetor Brasil.

A BrazilFoundation e Gerando Falcões receberam, cada uma, R$ 27 milhões, montante que representa individualmente a maior doação de suas histórias. Em entrevista à revista Veja, Edu Lyra, fundador da Gerando Falcões, contou que há quatro meses a equipe de Scott está estudando a organização, suas contas, seus projetos e seu compliance. A doação foi feita com total liberdade para o uso do dinheiro, e Edu Lyra já tem os planos montados. Pelo menos 5 milhões de reais serão usados em um projeto piloto na favela dos Sonhos, em Ferraz de Vasconcelos (SP), que abriga mil moradores. Outro plano de Edu é usar outros 5 milhões de reais em um banco social para financiar ideias que venham das favelas, por meio do intermédio dos líderes sociais. A Gerando Falcões está hoje em 3.700 favelas brasileiras, em 25 estados.

Um terceiro fator importante na atitude da acionista da Amazon é a doação de um valor bastante representativo: 275 milhões de dólares à organização Planned Parenthood (PPFA), uma das principais defensoras do direito ao aborto nos Estados Unidos. A PPFA declarou que a doação de Scott ao escritório nacional do grupo e suas 21 filiais foi a maior realizada por um só doador na história da organização, que administra clínicas dedicadas à saúde reprodutiva e sexual em todo o país. O grupo destacou que a doação foi feita enquanto os estados conservadores abordam iniciativas jurídicas para reverter o direito ao aborto e quando a Suprema Corte dos Estados Unidos está em posição de revogar potencialmente a lei “Roe v. Wade” (Roe contra Wade), uma decisão judicial histórica de 1973 que estabeleceu o acesso ao aborto como um direito constitucional da mulher.

Mackenzie Scott foi casada com Jeff Bezos por 25 anos e teve um papel importante na criação da Amazon. Quando se separou de Bezos, em 2019, Mackenzie começou a doar sua fortuna para a filantropia. São quase 16 bilhões de dólares distribuídos a 1257 organizações desde 2020, contadas as que foram anunciadas essa semana. Aos poucos, Mackenzie tem se desfeito de suas ações na Amazon. No começo do ano, os documentos enviados à SEC (a CVM norte-americana) davam conta de que Mackenzie havia se desfeito de 2,5 milhões de ações da companhia, algo em torno de 8 bilhões de dólares. Ela ainda possui mais de 14 milhões de ações da empresa.

Cinco anos antes da separação, em 2014, fundou a plataforma contra assédios ByStander Revolution, e recentemente prometeu doar metade de sua fortuna para a “Giving Pledge”, uma instituição beneficente que reúne os contribuintes mais ricos do mundo, como o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, Warren Buffett e Bill Gates.

As muitas mensagens que uma mulher poderosa como Mackzenzie Scott passa ao mundo com as doações anunciadas essa semana deixam evidente a importância do olhar feminino sobre questões urgentes, como as inúmeras desigualdade econômicas e sociais que as pessoas atravessam pelo mundo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    Confira na íntegra o painel com Luanda Vieira, Rafa Brites e a moderadora Camila Fremder

  • Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Seja por meio do ativismo, da influência digital, da política, da comunicação ou pela arte, elas são símbolos de resistência e transformação