Sua agência dá balinha e água?

Buscar

Opinião

Publicidade

Sua agência dá balinha e água?

A conta é simples: a agência trabalha = a agência recebe. Mas o Uber provou que o básico é pouco


15 de junho de 2016 - 8h40

Em todas as minhas experiências com o Uber, nunca tive uma decepção. Além do bom preço, os motoristas costumam falar com você apenas se você puxar papo. Fora isso, oferecem balinha e água “de graça”, um mimo que pode ou não ser aproveitado pelo passageiro.

Sempre que eu vejo essas balinhas e água nos carros, lembro da rotina na agência e como, muitas vezes, negamos uma balinha e água ao cliente. É bom deixar claro que nenhum motorista do Uber vai te levar do ponto A ao ponto B de graça, assim como nenhuma agência deve oferecer um serviço essencial gratuitamente. Mas a bala e a água podem (e devem) ser oferecidos.

Sabe aquela sexta-feira em que às 17h30 o cliente telefona solicitando algo? Que tal atendê-lo da melhor forma possível? Que tal dar toda sua atenção para ele, mesmo com vontade de “ir” para o fim de semana? A balinha na comunicação nada mais é do que dar o melhor de si.

Você não escolheu essa área para trabalhar menos, correto? Escolheu porque ama o que faz. Pois demonstre isso em todos os jobs, seja para o cliente menor, seja para o maior. Vai mandar um e-mail? Mande como se a conta dependesse disso! Vai escrever um release? Faça-o da melhor forma possível!

Se o cliente perguntar algo óbvio, responda com paciência, sem ironia. Ele não sabe como funciona aquela nova rede social? Explique e demonstre qual a importância dela na divulgação da marca.

Claro, há um contrato entre você e o cliente. Um documento que diz quais serviços você precisa fazer para receber seu pagamento. A conta é simples: a agência trabalha = a agência recebe. Mas o Uber provou que o básico é pouco.

O motorista poderia te levar do ponto A ao ponto B, mas decidiu oferecer balinha, água, revistas e em alguns casos, TV, WiFi, entre outros cuidados.

Se a sua agência continua cobrando um alto valor de investimento, fazendo caminhos longos para trajetos curtos, tudo isso sem nem ao menos oferecer uma balinha ou uma água, eu só posso te dar um conselho: mude seu mindset com urgência (e passe na doceria mais próxima).

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

  • Ariana Dias

    Cliente que liga as 17h30 pedindo “pra hoje” coisas que levam o tempo de toda uma jornada de trabalho, diga-se quase 8 horas, não é balinha e água, é banquete. Comparativo absurdo e bizarro. O modelo de negócio taxi, hoje em crise, por causa de novos modelos como 99 e Uber, tinha um monopólio do mercado e por isso tratava o cliente como bem entendia. Como fazem as empresas de telefonia, internet, etc. O mercado publicitário é extremamente competitivo, como milhares de prestadores de serviço para todos os bolsos e gostos, e por causa disso, estamos num nível muito além do “bala, wifi e água”. Estamos no senta, rola e dá patinha, isso nos melhores cenários, não vou nem citar os outros. Um desserviço para o mercado esse tipo de artigo.

    • Daniella Borges

      Bom comentário! Também achei a comparação grosseira e a colocação sobre um mercado monopolizado versus um mercado com vários concorrentes que já dão balinha e água há muito tempo, faz totalmente sentido.

    • Milton de Paulo

      Fez eu criar uma conta no Disqus só pra curtir e agradecer seu comentário. Disse tudo. Obrigado.

    • Felipe Tercetto

      Ótimo comentário. A rotina de muita agência já virou dar a balinha, a água, a alma. Desserviço define.

    • Bárbara Kern

      Já pensou que louco seu cliente/passageiro te tratar com educação, apertar o cinto e confiar em você no volante a viagem inteira? Afinal, ele requisitou o serviço de um profissional e deveria tratá-lo como tal. ˜Seu cliente trata sua agência com o mesmo respeito que o passageiro do Uber trata o motorista?”. Só acho… seria lindo!

      • Ariana Dias

        Sensacional!
        Exatamente isso e super complementa o que eu disse: todos os dias temos que lembrar – não vou generalizar – muitos dos nossos clientes, da importância que damos pra eles.

  • Moça em que agência você trabalha?

  • MarcoA.G.Chaves

    Que nada haver….
    Que perca de tempo lendo esta matéria.