Causas sociais sob a ótica das empresas e do público

Buscar

Causas sociais sob a ótica das empresas e do público

Buscar
Publicidade

Comunicação

Causas sociais sob a ótica das empresas e do público

Marcas buscam explorar as plataformas online como forma de mobilizar pessoas


29 de novembro de 2016 - 8h20

Em um momento que cada vez mais marcas se associam às questões comunitárias, vale a pena entender o papel do cidadão digital brasileiro em causas sociais e como ele vê o envolvimento de grandes empresas privadas em iniciativas que procuram impactar positivamente o mundo. A Lynx, empresa de marketing de causas do Brasil, realizou um estudo para analisar como os jovens procuram fontes de informação, qual o grau de confiança em cada uma delas e como essas pessoas utilizam as redes sociais, em assuntos desse tipo.

O levantamento analisou 502 pessoas, entre 12 e 29 anos, em todo o Brasil, este ano. “A gente sentiu falta de uma pesquisa que falasse um pouco mais com esse jovem digital e a gente queria entender como estava o comportamento dele em relação a isso”, disse Wal Flor, sócia fundadora e diretora geral da agência Lynx, a respeito das motivações do estudo.

Entre os entrevistados, 87% acreditam que a responsabilidade para resolver problemas sociais está nas mãos dos próprios cidadãos, enquanto 77% acham que é o governo e 54%, as empresas. “Desde 2000, a gente vive um movimento maior desse assunto na mídia e isso deixa a sociedade, no geral, mais consciente”, fala Wal Flor. “Nisso as empresas tem um papel, ter como estratégia estimular o consumo, é inevitável que as empresas tenham a consciência que precisam para mudar o seu posicionamento, a forma como produz, como vende o seu produto, o que quer para um mundo melhor. O propósito das empresas acabou se reinventando, se revitalizando”, explica.

Aproximadamente 50% dos respondentes conseguem associar fundamentos como preservação do meio ambiente e empoderamento femininos a diferentes marcas. Diante disto, 64% confiam nelas e 64% dizem gostar de comprar produtos ligados às causas sociais, acreditando na credibilidade e no potencial de transformação das empresas.

Sobre um olhar de engajamento e comportamento digital, 54% curte ou compartilha nas redes sociais os movimentos sociais apoiados por uma empresa ou marca. Plataformas como Facebook e WhatsApp são as mais utilizadas para influenciar opiniões e debater ideias, entre os jovens, uma vez que eles ficam de três a seis horas, por dia, conectados.

“O propósito das empresas acabou se reinventando, se revitalizando”

O número de 43% representa quantos confiam em autoridades no assunto, o de 34% quantos seguem informações de amigos e conhecidos e o de 11% quantos seguem a opinião de celebridade. “A gente vê marcas se aventurando de forma mais consistente, mais genuína, autêntica e a gente também vê marcas mais pontuais. A partir do momento que a marca quer ser oportunista, o próprio consumidor percebe e isso reverbera muito negativamente. O cidadão digital está cada vez mais informado”, conclui Wal Flor.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Campanhas da Semana: IA, geração Z e retorno à mídia

    Campanhas da Semana: IA, geração Z e retorno à mídia

    Piraquê usa IA para falar apresentar novo sabor, Pizza Hut quer conquistar a geração Z com nova linha e Kibon volta à mídia

  • Ronaldo, Ronaldinho e Aguero protagonizam campanha de Clash of Clans

    Ronaldo, Ronaldinho e Aguero protagonizam campanha de Clash of Clans

    Após jogo escolher Erling Haaland, craques do futebol responderam a plataforma e jogam com atacante