As principais tendências de design para 2024

Buscar

As principais tendências de design para 2024

Buscar
Publicidade

Comunicação

As principais tendências de design para 2024

CBA B+G apresenta terceira edição do relatório Useful Design Trends, e aprofunda tendências que deverão moldar o futuro de diversos setores


31 de janeiro de 2024 - 15h10

O design é a área de foco do relatório do Useful Design Trends, estudo anual realizado pela CBA B+G. A terceira edição do relatório analisa tendências para os próximos doze meses em meio ambiente, empoderamento, bem-estar, sociedade e acesso. A análise leva em consideração mais de 40 setores e 90 estudos de caso.

design

(Crédito: Adobe Stock)

Confira as 15 tendências que deverão impactar e influenciar o design a nível global:

Meio Ambiente

1. O Básico Reimaginado
Com o aquecimento do debate da inovação material, marcas estão percebendo que, para serem pioneiras, deverão desenvolver um modelo renovável e escalável. Assim, desafiarão os limites do que entendemos como inovação material.

2. Vida Útil Estendida
Produtos ganham mais valor pela durabilidade, reparabilidade e sustentabilidade. Itens de segunda mão podem ser uma resposta à demanda do consumidor e estabelecem um novo padrão para a produção e o consumo responsáveis.

3. Futuro Ancestral
Novo e velho se fundem em meio aos desafios globais. É o momento de reconhecer a sabedoria e as práticas dos povos indígenas e originários, bem como outros grupos minorizados agora na vanguarda de soluções sustentáveis. Marcas e iniciativas devem se atentar a homenagear o passado e traçar um caminho para o futuro incorporando tais práticas.

Empoderamento

4. Padrão Universal
A inclusão segue como pauta relevante. Agora, há a redefinição da representação da deficiência com uma abordagem evoluída. A ênfase está no design universal levando em consideração o desafio único de cada situação.

5. Fora da Caixa
O abandono da perfeição e a descoberta de novos modelos e estilos de vida ganhou força no cenário caótico do pós-pandemia. A geração Z abraça o caos, a imperfeição e a originalidade. Neste contexto, as marcas podem experimentar e ousar ainda mais, permitindo que o público saia da zona de conforto.

6. Morte do Gênero
A quebra dos padrões de identidade de gênero está mais intensa, sobretudo entre as gerações Z e alfa. Uma vez que a noção de classificação binária de gênero é cada vez mais vista como ultrapassada e restritiva, marcas devem apoiar a jornada de libertação de estereótipos com novas formas de comunicação. A neutralidade de gênero ganha nuances coloridas e variadas, celebrando a expressão humana.

Bem-estar

7. Menopower
Ainda que haja um aumento do número de mulheres entrando na menopausa a nível global (cerca de um bilhão delas) até 2025, cada vez mais delas estão desafiando o estereótipo ultrapassado de que a idade dita a capacidade física e intelectual. A tendência indica um novo olhar sobre o envelhecimento potencializado pelo empoderamento feminino.

8. Sex Education
Marcas de diversos segmentos intensificam seu posicionamento sobre a positividade sexual – e sua relação com o bem-estar. O cenário é de quebra de fronteiras sociais rígidas nesta temática no que diz respeito à mulheres e à comunidade LGBTQIA+. A tendência fica mais evidente na perspectiva holística das gerações Z e alfa.

9. As Drogas Boas
Substâncias psicotrópicas ganham mais evidência devido à legalização de mercados, como o de cannabis e psicodélicos. Há uma demanda por soluções mais suaves e inspiradas na natureza em meio à busca pelo domínio do bem-estar e solução de necessidades físicas, mentais e emocionais.

Sociedade

10. IA: Criatividade Turbinada
Em meio à crescente discussão sobre IA, bem como sua evolução, dúvidas sobre uma possível substituição dos seres humanos entram em jogo. Com isso, o relatório recomenda que marcas e designers devem abordar a IA com uma mente aberta, mas também com cautela, garantindo que a tecnologia seja usada de forma responsável e autêntica.

11. Escolhas Inteligentes
Autenticidade e transparência estão se mostrando cruciais em um mundo que caminha para gestos grandiosos e hábitos relacionados à sustentabilidade, saudabilidade e compassividade. Neste contexto, marcas estão assumindo papéis ativos na formação do comportamento do consumidor em direção a escolhas mais sábias, integrando o design comportamental em suas estratégias.

12. Juntos é Melhor
À medida que cresce a necessidade de conexão e senso de pertencimento, surgem comunidades que se concentram em torno de experiências, origens e interesses compartilhados. Apesar do caos digital, marcas estão e plataformas estão criando espaços onde os indivíduos podem encontrar sua tribo, compartilhar suas histórias e ter apoio mútuo.

Acesso

13. Use com Sabedoria
Consumidores de todo o mundo estão lidando com o aumento do custo de vida em meio a um cenário de policrises. Como resposta, empresas estão oferecendo descontos ou preços mais baixos, bem como se posicionado como aliadas do consumidor, exprimindo compreensão e solidariedade.

14. Guerra da Micromobilidade
A demanda pela diminuição da pegada de carbono, novas soluções de mobilidade diversificadas e métodos alternativos de deslocamento, como ciclismo, caminhada e transporte público. Assim, diversas marcas dos mais variados segmentos podem formar parcerias com soluções de micromobilidade.

15. Web3 para Todos
A Web3 entra em cena com a Internet passando por uma mudança transformadora em direção a um cenário mais democrático, transparente e descentralizado. A mudança de paradigma também é ética e se aproxima dos conceitos de ESG. Empresas migram da transações para a criação de experiências significativas, éticas e colaborativas em um mundo conectado, mas descentralizado.

Publicidade

Compartilhe

Veja também