Conar inocenta Itaú e Boticário

Buscar
Publicidade

Comunicação

Conar inocenta Itaú e Boticário

Conselho de ética da entidade arquivou o processo movido contra as campanhas "Digitau" e "Linda Ex"


29 de março de 2016 - 5h38

Duas campanhas de grande repercussão na mídia neste ano foram arquivadas pelo Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar). Em reunião realizada nesta terça-feira, 29, membros da entidade consideraram que as campanhas “Digitau”, do banco Itaú, e “Linda Ex”, de O Boticário, não desrespeitaram o público consumidor.

O comercial do Itaú foi alvo de processo no Conar em janeiro. Alguns espectadores sentiram-se incomodados com filme de TV, criado pela Africa, que fazia uma associação entre as palavras digital e Itaú, alegando que a palavra poderia induzir as crianças a cometerem erros ortográficos. O Conar abriu um processo para avaliar a questão e, dois meses depois, julgou que a reclamação não procedia.

Logo que a entidade acolheu o processo, o Itau e a Africa lançaram outros comerciais para esclarecer o uso do termo “Digitau”. Relembre os filmes: 

wraps

Boticário
No caso de O Boticário, o alvo da reclamação de consumidores foi a campanha “Linda Ex”, exibida nos canais digitais da marca. O vídeo era resultado de um experimento com três casais que estavam se separando. No dia da assinatura do divórcio, as mulheres apareciam maquiadas e os maridos demonstravam surpresa com a aparência delas. Ao final, o filme trazia a mensagem: "tudo pode acabar, menos a sua autoconfiança". Nas redes sociais, diversas mensagens apontaram um tom machista no comercial da marca e o Conar abriu processo para avaliar a campanha. O conselho de ética, no entanto, decidiu arquivar o processo, não submetendo O Boticário e nem sua agência, a AlmapBBDO, a nenhuma alteração ou punição em relação à campanha. Veja:

Publicidade

Compartilhe

Veja também