Abap institui comitê de remuneração

Buscar

Comunicação

Publicidade

Abap institui comitê de remuneração

Grupo será integrado por dez executivos, entre os quais Mario D'Andrea, Luiz Lara, Marcio Santoro, Eduardo Simon, Luiz Leite e José Bonalli

Teresa Levin
9 de maio de 2016 - 8h00

orlandomarquesA difícil equação de remuneração das agências de publicidade brasileiras, muito calcada na compra de mídia, e a constante batalha dos anunciantes para pagar menos tem um novo foro de discussões. A Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) instituiu na semana passada um comitê interno focado na questão. O grupo será integrado a princípio por dez executivos, entre os quais Mario D’Andrea, Luiz Lara, Marcio Santoro, Eduardo Simon, Luiz Leite e José Bonalli.

Durante reunião nacional realizada no Rio de Janeiro, a Abap também lançou outros dois comitês: um para tratar de legislação, e outro para debater qualidade e qualificação das agências. O trabalho deste último poderá contribuir com a questão principal, da remuneração, já que parte do problema está relacionado à perda de relevância das agências de publicidade junto a muitos grandes anunciantes. Os novos comitês serão responsáveis por provocar discussões entre as agências sobre o andamento da revisão das regras do Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp). Desde o ano passado, quando a atuação do Cenp foi contestada pelos anunciantes no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), executivos de anunciantes, agências e veículos instituíram um Comitê de Negociação e três grupos que avaliam justamente as questões de remuneração, legislação e qualidade.

Compliance

O encontro realizado pela Abap discutiu ainda outros temas, entre eles a relevância de programas de compliance para as agências de publicidade. O assunto foi abordado pelo advogado José Ricardo Martins, do escritório Peixoto & Associados, que também analisou a Lei Anticorrupção. Ele observou que o contexto atual vivido pelo mercado publicitário é incômodo. “Não é a primeira vez que agências de publicidade são envolvidas em escândalos. Nos dois maiores do país esbarramos em agências, sendo que vivemos de reputação”, disse, referindo-se ao Mensalão e a Operação Lava Jato. Em parte, isso aconteceu pelo fato das autoridades desconhecerem os mecanismos de autoregulamentação do mercado publicitário, apontou o advogado. “O Ministério Público e a CGU têm muito a conhecer do nosso mercado e temos que fazer um trabalho junto a eles para que entendam melhor”, defendeu.

Para ele, o programa de compliance é a forma adequada para minimizar riscos. “É uma ferramenta de gestão para que a agência possa entregar um serviço melhor”, falou. Martins finalizou defendendo que o compliance é um direito para as pessoas que trabalham dentro de uma organização. “Os colaboradores têm o direito de trabalhar dentro de um ambiente ético e transparente”, concluiu.

Quatro tendências

O encontro das lideranças da Abap contou ainda com uma palestra de Walter Longo, presidente do Grupo Abril, sobre o marketing na era pós-digital. Para ele, quatro macrotendências vão influenciar o mercado nos próximos anos. A primeira delas é a efemeridade. “Entramos na era das relações fulgazes e não adianta ficar triste. Tudo é mais efêmero, rápido e mutante”, disse.

A segunda seria a mutualidade, já que cada vez mais máquinas falam entre si, tem protocolos de linguagem comum, gerando mais informações em relação mutual e evolutiva. “Já a sincronicidade está transformando os antigos bancos de dados onde a maior especificidade e personalização não traz incremento proporcional de resposta”, disse apontando uma terceira tendência. Por conta disso, hoje o fundamental não é ter um banco de dados, mas de fatos. “Não importa o que sou mas o que estou neste momento. Os fatos da vida alteram o comportamento e daí a necessidade do conceito de sincronicidade”, defendeu.

Por fim, Longo aponto a tensionalidade como um fator que no mundo pós-digital alterou crenças que eram causas pétreas no segmento da publicidade. “Saímos da era da atenção e entramos na era da distração. Se a marca não tiver uma certa dose de tensão não garante a atenção”, finalizou.

Publicidade

Compartilhe