Tendências mapeadas pela TBWA incluem até yoga com cabras

Buscar

Comunicação

Publicidade

Tendências mapeadas pela TBWA incluem até yoga com cabras

Criado em dezembro, o Backslash é uma área que reúne mais de duzentos repórteres culturais que circulam por escritórios da agência em 35 cidades em busca de referências culturais

Luiz Gustavo Pacete
12 de abril de 2017 - 8h00

tbwablacklash

O depositário de tendências e referências de cultura serve como um guia para que os profissionais de criação do grupo

Sapatos do espaço, carros para cachorros, games de lixo, zumbis do telefone e yoga com cabras. Algumas dessas expressões podem remeter à última série da Netflix sobre ficção científica ou a um filme futurista de Spielberg. Não necessariamente. São alguns dos insights que podem ser encontrados em uma plataforma chamada Backslash, criada pela TBWA\Worldwide em dezembro do ano passado.

O depositário de tendências e referências de cultura serve como um guia para que os profissionais de criação do grupo, que inclui a Lew’Lara no Brasil, se alimentem do que existe em novidade, independentemente do assunto. Não há pauta definida, nem assunto prioritário, é tendência ou está ganhando atenção em algum canto do mundo? Lá estará. “Um dia desses estava vendo um conteúdo sobre aumento no uso de saias e dezenas de outras coisas que nos servem como elemento para os processos criativos’, diz Felipe Luchi, CCO da Lew’Lara.

O Backslash é descrito como um hit diário de notícias e insights culturais de todo o mundo disponível para todos os 12 mil funcionários da TBWA por meio de vídeos internos e de um canal no Instagram e uma página no YouTube. No total, são 200 repórteres culturais espalhados pelos escritórios da empresa em 35 cidades ao redor do mundo, incluindo o  Brasil.

Sarah Rabia, diretora de estratégia cultural da TBWA, ex-jornalista da revista The Face e especialista em tendências do The Future Laboratory em Londres, lidera a equipe de Backslash. “Esse núcleo nos faz trabalhar como uma rede, de uma forma muito mais rápida, coletiva e humana. Além disso, ele nos proporciona uma liberdade de produção criativa que vai além do que fazemos para os nossos clientes”, diz Sarah.

 

Publicidade

Compartilhe