Itaú conta história real em nova versão de “Leia Para Uma Criança”

Buscar

Comunicação

Publicidade

Itaú conta história real em nova versão de “Leia Para Uma Criança”

Com filmes premiados nos últimos anos, campanha criada pela DPZ&T abandona aspecto lúdico em edição de 2019

Renato Rogenski
8 de outubro de 2019 - 11h48

Filme “Busca da Mãe” traz a ótica de Rosângela (Frame acima). O outro comercial “Busca do Filho” traz o olhar de Thompson (Crédito: Reprodução/ Youtube)

Ontem, 7, no intervalo do Jornal Nacional, da TV Globo, o Itaú estreou a edição 2019 de sua campanha “Leia Para Uma Criança”, trabalho de comunicação criado pela DPZ&T para apoiar o projeto de incentivo à leitura infantil conduzido pelo banco desde 2010. Diferente dos últimos anos, em que histórias fictícias pautaram a narrativa, os dois filmes lançados agora são inspirados em situações reais.

Com produção da Saigon e a direção de Vellas, os comerciais revelam a trajetória de superação de Thompson Vitor e sua mãe, dona Rosângela Marinho. Trabalhando por muitas anos como catadora de lixo para fins recicláveis, Rosângela também buscava livros descartados pelas pessoas para levar para a casa e ler histórias para Thompson. Hoje, o filho cursa química na universidade de Rochester, em Nova York, nos Estados Unidos.

Os filmes terão desdobramentos no ambiente digital com uma série de pílulas com entrevistas de Thompson Vitor e Rosângela falando sobre suas jornadas e cenas marcantes dos comerciais. Além disso, a campanha também terá ações em parceria com a Globo, incluindo um product placement que irá ao ar na próxima quinta-feira, 10, na novela “Bom Sucesso”.

“É mais uma forma de comprovar o quanto é primordial o adulto entender a importância da imaginação e do acesso aos livros para o desenvolvimento das crianças.”, explica Eduardo Tracanella, diretor de marketing institucional do Itaú Unibanco. “Essa história de superação é a materialização do poder da educação e do papel que a leitura infantil tem de despertar o potencial de toda criança.”, afirma Rafael Urenha, CCO da DPZ&T.

Promovida desde 2010 pelo Itaú Unibanco e pela Fundação Itaú Social, a campanha distribui livros gratuitos e incentiva a leitura na primeira infância no Brasil, reforçando o potencial da literatura como um agente transformador na sociedade. Se em 2017 o Itaú mostrou que a leitura pode levar uma criança, literalmente, ao espaço ao mostrar a garotinha que sonhava em ser uma grande astronauta, em 2018 o banco usou um robô para retomar a narrativa de que os livros são a primeira ponte para conduzir as crianças até suas maiores realizações.

Do ponto de vista criativo, a campanha tem gerado o reconhecimento do mercado para a agência e o anunciante. Juntos, os dois filmes anteriores “Astronauta” e “Robô” conquistam prêmios como o Profissionais do Ano na categoria Mercado em 2018 e 2019, o Melhor Comercial do Brasil 2018 e entraram na enquete realizada pelo Meio & Mensagem com profissionais do mercado na lista das melhores campanhas em 2017 e 2018.

Em outubro, o projeto continua com novos livros digitais Itaú Criança, um minidocumentário e outras ações, incluindo o envolvimento de influenciadores que vão trocar livros em seus perfis no Instagram. Confira os filmes abaixo:

Imagem de topo: Hope House Press – Leather Diary Studio/ Unsplash

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Comercial

  • empresa

  • mae

  • filho

  • filmes

  • banco

  • robô

  • Itaú

  • DPZ&T

  • Profissionais do Ano

  • Astronauta

  • Melhor comercial do Brasil

  • premiado

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”