Com KitKat Chocolatory, Nestlé reforça estratégia de marcas no Brasil

Buscar

Marketing

Publicidade

Com KitKat Chocolatory, Nestlé reforça estratégia de marcas no Brasil

Primeira flagship na América Latina reflete foco na conexão direta com o consumidor

Taís Farias
28 de outubro de 2019 - 6h00

 

Loja foi instalada no Shopping Morumbi, em São Paulo (Crédito: Divulgação)

No início de outubro, a Nestlé lançou a primeira flagship da marca KitKat no Brasil, a Kit Kat Chocolatory . O projeto, que já existe há cinco anos, conta com unidades em Tóquio, Melbourne, Londres e Toronto. No Brasil, São Paulo foi a cidade escolhida para receber a loja que fica no Shopping Morumbi. Para engajar, especialmente a Geração Z, a unidade foi desenvolvida pensando no conceito de “ambiente instagramável”.

A KitKat Chocolatory vai disponibilizar todo o portfólio da marca, assim como produtos importados e 17 sabores diferentes do chocolate best-seller da Nestlé. Com foco em personalização, a loja se propõe a explorar a experiência do usuário dentro da flagship. Na unidade, é possível criar seu próprio KitKat, customizar a lata que embala os doces e até imprimir sua foto no chocolate.

A tecnologia também está presente em um game com realidade virtual e uma tela interativa que mostra toda a cadeia de produção de cacau utilizada pela Nestlé. Outra exclusividade da flagship é uma parceria com Nespresso, que traz uma linha com 13 opções de expressos, cappuccinos e gelados que harmonizam com os chocolates da marca.

“Gosto de dizer que nós tentamos e queremos ser, ao mesmo tempo, Davi e Golias”, Laurente Freixe, vice-presidente global da Nestlé para Zona Américas (Crédito: Divulgação)

Todo o investimento é parte dos esforços da Nestlé para dinamizar seus negócios e se conectar com as novas demandas do consumidor. Em visita à primeira unidade brasileira da KitKat Chocolatory, Laurent Freixe, vice-presidente global da Nestlé para a Zona Américas, afirmou que a operação no País representa uma evolução para a marca. “O Brasil está levando conectividade e personalização a um novo nível para KitKat”, disse Laurent.

Conexão e experiência

Apesar de ser a primeira experiência da marca KitKat no Brasil, em julho, a Nestlé já havia inaugurado o Cake Point by Moça, cafeteria temática da empresa, que vende doces, coberturas, recheios e bebidas. Segundo Laurent, essas iniciativas nascem do desejo da Nestlé de explorar a força das marcas que a companhia consolidou no País. O modelo também é um passo à frente na relação das bandeiras com seus consumidores e o que o executivo enxerga como o futuro da maneira de fazer compras.

“O que nós queremos é trazer as marcas para perto dos consumidores. Dar às pessoas a oportunidade de interagir e se conectar com a empresa de diferentes formas”, afirmou na ocasião. É nessa toada que a companhia trouxe a oportunidade de o consumidor personalizar a experiência com a loja e o produto como pilar central da unidade brasileira.

Além de engajar o usuário, a unidade está sendo vista como um ambiente de experimentação para novos sabores e serviços, assim como as preferências do consumidor. De acordo com o VP, o futuro modelo pode ser promissor dentro da Nestlé. “Se for bem-sucedido, pode ser implantado em escala”, relatou.

Os desafios do consumidor omnicanal

Embora o clima seja de empolgação com o lançamento, a equação não é simples. Com o avanço do streaming, atrair o consumidor para a experiência do ponto de venda tem se tornado um desafio cada vez mais complexo. “Você precisa dar motivos para que o consumidor venha até a loja, precisa oferecer coisas muito únicas, que ele não pode encontrar em outro lugar”, afirmou o executivo.

É nesse sentido, que a marca investiu em ativações que possam trazer não apenas experiências exclusivas, mas informação e entretenimento para o consumidor. A parede interativa que mostra a cadeia de produção da marca, por exemplo, é reflexo da busca por transparência, atributo valorizado pelas gerações mais novas e a cultura da conectividade.

O investimento, no entanto, não significa competição com os outros formatos. “O que nós queremos é que o consumidor nos encontre onde ele quiser seja no supermercado, em uma loja KitKat ou na web”, explicou Laurent. O executivo explicou ainda que os canais de venda se tornam complementares, uma vez que a loja gera interesse e conversas sobre a marca, o que aumenta a busca pelos produtos no varejo.

Davi e Golias

Para produzir essa inovação, a Nestlé também precisou repensar seus projetos. O executivo lembra, que há alguns anos, a indústria buscava por produção em massa, com grandes fábricas e escala. Hoje, para conquistar flexibilidade, agilidade e dinamismo, a empresa teve que rever toda a sua cadeia de abastecimento. “Gosto de dizer que nós tentamos e queremos ser, ao mesmo tempo, Davi e Golias. Nós queremos ser grandes, porque nós somos grandes, mas também ser rápidos, ágeis e inteligentes”, contou Laurent.

Nesse dilema, apesar de ser uma companhia global, a empresa investe ainda no trunfo da localidade para se manter próximo ao consumidor. Bandeiras como Moça, Nescau e Ninho são trabalhadas exclusivamente no Brasil. Ao mesmo tempo, Nestlé ganha escala com as globais Nespresso, KitKat e Purina. “No Brasil, nós não queremos ser suíços, queremos ser brasileiros”, explica o executivo que conta com uma equipe local para os negócios no País.

*Crédito da foto no topo: Divulgação 

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • laurent freixe

  • Nestlé

  • Nespresso

  • KitKat

  • Nescau

  • Leite Moça

  • purina

  • kit kat chocolatory

  • cake point by moça

  • conectividade

  • experiência

  • personalização

  • flagship