Hering engrossa lista de marcas criticadas por camisetas

Buscar

Marketing

Publicidade

Hering engrossa lista de marcas criticadas por camisetas

Peça com os dizeres “Que se dane a cerveja artesanal” foi retirada das lojas e rendeu pedido de desculpas da empresa

Renato Rogenski
10 de fevereiro de 2020 - 13h29

Camiseta foi retirada de circulação e rendeu pedido de desculpa da Hering (Crédito: reprodução)

Por conta de um de seus produtos comercializados na web, desde o final da semana passada a Hering tem tido que lidar com críticas do público e a hashtag #quesedaneahering nas redes sociais. A peça em questão é uma camiseta com os dizeres “Que se dane a cerveja artesanal”, que estava sendo vendida por R$ 49. O problema apontado principalmente por aqueles que consomem as bebidas da categoria é o timing, já que a camiseta ganhou destaque no acervo digital da marca justamente no momento em que a cervejaria Backer, de Belo Horizonte, teve problemas com um lote contaminado de sua cerveja.

Na semana passada, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou um boletim atualizando para seis o número de mortos que podem ter se intoxicado por dietilenoglicol, substância encontrada na cerveja mineira. Procurada, a Hering informou, por meio de um comunicado, que “lamenta a distribuição do produto em questão e se compromete a revisar todos os seus processos”. Como primeira medida, a Hering afirmou também já ter retirado todas as camisetas de circulação e ressaltou que tem como premissa “o respeito a todos os seus consumidores“.

Seja pelo timing ou por outro motivo, não é a primeira vez que a prática de estampar frases em camisetas causa desconforto para as marcas com as críticas do público. Em 2016, uma camiseta da Forever21 com a frase “Don’t say maybe if you want to say no”, na tradução “Não diga talvez se você quer dizer não” também foi alvo de críticas. Na ocasião, a peça também foi retirada de linha, rendendo um pedido de desculpa da empresa para o público, que viu na mensagem uma incitação à cultura do assédio.

Em 2018, a marca A Mulher do Padre colocou à venda uma camiseta com o símbolo da Febem, atual Fundação Casa, que abriga menores infratores, e também passou pelo mesmo processo: retirada das peças de circulação e um pedido de desculpas.

Em 2019, até mesmo a Versace precisou se retratar por conta de uma escorregada na estampa de uma de suas camisetas, que identificava os territórios de Hong Kong e Macau como se fossem países, para a ira dos chineses. A própria Donatella Versace, diretora artística da grife, publicou o pedido de desculpa em seu perfil no Instagram “A Versace reitera que amamos profundamente a China e respeitamos resolutamente o território e a soberania nacional da China”.

Crédito da imagem de topo: reklamlar/istock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Versace

  • Hering

  • backer

  • a mulher do padre

  • forever21

  • Redes Sociais

  • marcas

  • Camisetas

  • Polêmica

  • vendas

  • Peças

  • Cerveja artesanal

  • críticas

  • frases

  • desculpas

  • #quesedaneahering

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”