Brasil foi destaque em resultado global da Unilever

Buscar

Marketing

Publicidade

Brasil foi destaque em resultado global da Unilever

Inovações em Omo e Rexona puxaram crescimento da marca no País e, consequentemente, na América Latina em 2019


11 de fevereiro de 2020 - 15h40

O CEO da Unilever, Alan Jope, destacou resultado em países emergentes (Photo by Riccardo Savi/Getty Images for Concordia Summit)

Recentemente, a Unilever anunciou os resultados globais de negócio relativos ao ano passado. O lucro líquido da empresa foi de 6 bilhões de euros (queda de 38,4% em relação a 2018). Já a receita cresceu 2% sobre o ano anterior, chegando a 52 bilhões de euros. As vendas subjacentes aumentaram 2,9% – alta de 1,2% em volume e 1,6% em valor.

A respeito do revés no aspecto lucro líquido, o CEO da companhia, Alan Jope, destacou o crescimento de vendas e o equilíbrio entre volume e precificação, assim como o forte crescimento em mercados emergentes e na divisão de cuidados para casa. O crescimento geral ficou um pouco abaixo do previsto para o ano, por conta de uma desaceleração no quarto trimestre.

Os mercados emergentes cresceram 5,3%, puxados pela Ásia/AMET (Africa, Oriente Médio e Turquia)/ RUB (Rússia, Ucrânia e Bielorússia), a despeito de uma redução no fim do ano na Africa Ocidental, Sudeste Asiático e Oriente Médio. Já a América Latina voltou a representar crescimento para a empresa – isoladamente, a região cresceu 5,1%.

Tal crescimento, segundo a Unilever, deve-se inteiramente à precificação, com aumento do crescimento em volume no Brasil que, segundo a empresa, cresceu bem num ambiente difícil, mas em recuperação.

O crescimento no País foi apontado como resultado de inovações como o sabão concentrado Omo Lavagem Perfeita, em cuidados para casa, e Rexona Clinical Protection, na categoria desodorantes.

Na vizinha Argentina, ainda que o país continue encarando um ambiente de hiperinflação a queda em volume tem diminuído. Já o México cresceu em todas as divisões com boa performance em alimentação & bebidas.

Ainda na região “Américas”, a América do Norte teve crescimento moderado com queda em volumes, mas crescimento em valor. O bom desempenho em desodorantes como Dove foi obscurecido pelas pressões competitivas em hair care, com quedas nas marcas Suave e Tresemmé. Já a marca Seventh Generation teve bons resultados em cuidados para casa, enquanto as vendas de molhos e condimentos ficaram estáveis.

Na divulgação dos resultados, o CEO da Unilever também anunciou que fará uma revisão no negócio de chás da empresa, que tem as marcas Lipton, PG Tips, Bushells e T2.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Alan Jope

  • unilever

  • rexona

  • tresemmé

  • seventh generation

  • lipton

  • t2

  • Dove

  • Omo

  • Beleza

  • Bens de consumo

  • home care