Itaú e Tembici mudam a campanha para “não vá de bike”

Buscar

Marketing

Publicidade

Itaú e Tembici mudam a campanha para “não vá de bike”

Movimento quer garantir que as bicicletas estejam disponíveis para profissionais de saúde e de suporte à logística, para colaborar com sistemas de delivery

Teresa Levin
1 de abril de 2020 - 15h51

Tembici e Itaú Unibanco pedem que população não use bicicleta (Crédito: Divulgação)

Com o objetivo de incentivar as pessoas a ficarem em casa para manter o isolamento social, a Tembici e o Itaú Unibanco estão promovendo uma campanha para que seus usuários não utilizem as bicicletas, caso não seja necessário. Para isso, a hashtag #VaiDeBike dará lugar neste momento a outras como #VaiDeHomeOffice, #VaiDeCuidarDasPlantas e #VaiDeExercícioNaSala. Ainda para reforçar a mobilização da população, a partir desta quarta-feira, 1°, o usuário já cadastrado que não utilizar o sistema estará isento da cobrança dos planos do Bike Itaú.

O movimento da Tembici e do Itaú Unibanco visa garantir que as bicicletas estejam disponíveis para profissionais da área de saúde e de suporte à logística, para colaborar diretamente no comércio e em pequenos negócios que se mantêm em funcionamento com sistema de delivery. “A bicicleta tem se mostrado grande aliada dos profissionais que não têm a opção de ficar em casa, já que é um meio de transporte saudável e, agora, mais adequado ao combate da propagação da Covid-19”, afirmou Tomás Martins, CEO da Tembici, em comunicado.

Por conta da pandemia da Covid-19, a Tembici também adotou o modelo de home office para mais de 200 funcionários, inclusive a central de atendimento. A empresa reduziu em 50% a quantidade de bicicletas disponíveis, para minimizar o contato dos seus trabalhadores de logística e manutenção com o ambiente público; a ideia é adaptar a oferta ao aumento gradual de uso, se necessário. Além disso, também foram reforçados os procedimentos de higienização das bicicletas e estações em todas as cidades de atuação, inclusive nos países da América Latina, como Chile e Argentina.

Publicidade

Compartilhe