Como as marcas fazem uso dos NFTs?

Buscar

Marketing

Publicidade

Como as marcas fazem uso dos NFTs?

Tokens não fungíveis são usados para reposicionamentos, lançamentos e como fonte de receita


10 de setembro de 2021 - 16h33

Por Erika Wheless, do Advertising Age

Em março deste ano, o artista conhecido como Beeple foi o primeiro a criar um NFT a ser vendido em uma grande casa de leilões. A peça, uma colagem de cinco mil imagens que levou 13 anos para ser finalizada, foi vendida na Christie’s por uns impressionantes US$ 69 milhões. Isso desencadeou uma agitação no mercado de NFTs, que tem atraído marcas tradicionais que buscam se conectar com consumidores mais jovens. O Ad Age compilou o que os anunciantes devem saber sobre NFTs quando se trata de oportunidades de marca e receita, bem como alguns dos obstáculos na criação desses tokens não fungíveis.

 

O NFT usa a blockchain Ethereum. O Ethereum é uma criptomoeda como o Bitcoin (Crédito: Bermix Studio/Unsplash)

O que são os NFTs?
Um NFT é um certificado digital de autenticidade. É semelhante a levar uma pintura a um avaliador ou um contrato para um público notário, só que está online. Qualquer item digital, um JPEG, GIF, PNG, PDF, ou qualquer coisa que viva online, pode ser transformado em um NFT.

Transformar algo em um NFT, por exemplo, um taco Taco Bell, é conhecido como “mineração” ou “tokenização” que normalmente usa a blockchain Ethereum como a tecnologia subjacente. O Ethereum é uma criptomoeda como o Bitcoin, e o blockchain é o livro digital que registra todas as atividades em torno do Ethereum, como propriedade e transações.

Como as marcas estão usando os NFTs?
À medida que sua popularidade cresceu, os NFTs têm sido usados pelos profissionais de marketing de algumas maneiras, tanto para impulsionar a publicidade quanto para gerar receita.O mais novo programa da Fox “Krapopolis”, de Dan Harmon, terá seu próprio mercado dedicado da NFT, onde os fãs poderão comprar NFTs de personagens, fundos e gifs. A E.l.f Cosmetics também lançou nove NFTs baseados em maquiagem que foram vendidos por US$ 5 a US$ 9, comparáveis ao que os produtos reais custariam nas lojas.

Enquanto $5 não parece muito, a verdadeira geração de receita vem em revenda. Quando um NFT é revendido, o criador original recebe uma parte da venda automaticamente.

Aquela Pizza Hut NFT? Ele foi originalmente vendido por 0,0001 Ethereum, ou cerca de 18 centavos, mas foi rapidamente colocado de volta no mercado por 5 Ethereum, ou US $ 8.824,07. A Pizza Hut receberá 1% de todas as revendas futuras de sua NFT.

Carl’s Jr e Hardees, por exemplo, leiloaram uma NFT, obra de arte que acena para seu próprio passado risqué, com os lucros indo para uma organização sem fins lucrativos. A Pizza Hut lançou um NFT de uma fatia de pizza pixelada como uma maneira de promover quatro novas pizzas.

Outras marcas estão experimentando com NFTs como uma forma de receita.

O mais novo programa da Fox “Krapopolis”, de Dan Harmon, terá seu próprio marketplace dedicado à NFT, pelo qual os fãs poderão comprar NFTs de personagens, imagens para fundo de tela e gifs. A E.l.f Cosmetics também lançou nove NFTs baseados em maquiagem que foram vendidos por US$ 5 a US$ 9, comparáveis ao que os produtos reais custariam nas lojas.

Enquanto $5 não parece muito, a verdadeira geração de receita vem em revenda. Quando um NFT é revendido, o criador original recebe uma parte da venda automaticamente.

Aquele NFT da Pizza Hut foi originalmente vendido por 0,0001 Ethereum, ou cerca de US$ 0,18, mas foi rapidamente colocado de volta no mercado por 5 Ethereum, ou US$ 8.824,07. A Pizza Hut receberá 1% de todas as revendas futuras de sua NFT.

Os NFTs também têm sido usados para promover reposicionamentos, e como uma forma de marcas “clássicas” trabalharem com novos artistas. A Campbell’s Soup renovou seu rótulo para um visual mais limpo e moderno, comemorando a mudança com 100 NFTs com a ajuda da artista Sophia Chang, que trabalhou com Nike, Apple e Puma.

A DKNY reuniu antigos e novos meios com seu o lançamento de seu novo logotipo. O logotipo foi inspirado em um antigo mural da DKNY em NOVA YORK, mas foi leiloado como um vídeo NFT.

Ambas as marcas doaram todos os seus lucros do leilão para organizações sem fins lucrativos.

Uma nova forma de captalizar no IP
Para grandes marcas, os NFTs são uma ótima maneira de capitalizar em vastas piscinas de propriedade intelectual.

A NBA tinha uma noção do valor comercial dos NFTs bem à frente do mercado. Em 2019, a NBA e a NBA Players Association formaram um acordo com a Dapper Labs para criar o NBA Top Shot, uma plataforma digital para os fãs de basquete coletarem, trocarem e criarem momentos da história da liga em blockchain via NFTs.

A Coca-Cola reviveu parte de sua propriedade intelectual quando leiloou um pacote de NFTs. O pacote estava alojado dentro de uma quarta NFT que se parece com a máquina de venda retrô de 1956 da Coca-Cola.

Quem apoia os NFTs? Agências de publicidade
Com os NFTs provando ser o próximo meio de marketing, as agências se viram adicionando novos clientes. Por exemplo, a Coinbase, uma plataforma multibilionária de troca de criptomoedas e negociação, aproveitou o Wavemaker do WPP GroupM para ajudar a plataforma a alcançar novos usuários.

Outras agências tomaram uma abordagem prática ao mostrar aos clientes o valor de trabalhar com NFTs. Gary Vaynerchuck, CEO da Vaynermedia, lançou um projeto pessoal de NFT chamado VeeFriends, no qual ele leiloou 10.200 NFTs para fãs com diferentes níveis de vantagens culminando em um evento ao vivo para os detentores de tokens digitais chamado VeeCon. Ele arrecadou cerca de US$ 20 milhões. Alguns meses depois, Vayner anunciou um novo braço da agência, VaynerNFT, e assinou com a Anheuser-Busch InBev como seu primeiro cliente.

Quais são as barreiras de entrada e armadilhas para o NFT?
Claro, ainda há perguntas e obstáculos quando se trata de NFTs.

Para começar, o mercado NFT não é o mais estável. Os NFTs são tipicamente apoiados por criptomoedas, que são notoriamente voláteis. Oscilações de preços podem alterar o valor dos NFTs, e um mercado exuberante pode rapidamente se transformar em um busto — ou fazer com que alguém tenha muito dinheiro — tudo dentro de um curto período de tempo.

Talvez uma barreira ainda maior é que a tecnologia não é muito acessível ao público em geral, que muitas vezes não está familiarizado com criptomoedas e carteiras digitais.

Outro problema enfrentado pelos NFTs e criptomoedas é a ameaça de impacto ambiental. Muitas criptomoedas são criadas usando um processo chamado “mineração”, que pode usar quantidades significativas de poder computacional.

As blockchains trabalham em mecanismos de consenso, que são como as blockchains verificam novas transações, as adicionam à blockchain e criam novos tokens. Existem dois tipos de mecanismos de consenso: prova de trabalho e prova de participação — o primeiro usa enorme poder computacional, o último custa menos ao meio ambiente.

Mais marcas começaram a procurar NFTs mais ecológicos, ou lançar NFTs junto com a Aerial, uma plataforma de sustentabilidade que ajuda as marcas a compensar suas emissões de carbono causadas pela criação de NFTs.

**Crédito da imagem no topo: Rick Jo/iStock

Publicidade

Compartilhe