L’Oréal Brasil realizará 1ª live commerce com marcas de todas as divisões

Buscar

Marketing

Publicidade

L’Oréal Brasil realizará 1ª live commerce com marcas de todas as divisões

Em 18 meses, o e-commerce do grupo L’Oréal dobrou o volume de vendas e hoje representa mais de 25% do faturamento global da companhia

Carolina Huertas
23 de setembro de 2021 - 13h04

O evento contará com mais de 100 produtos das marcas CeraVe, Garnier, Giorgio Armani, Kérastase, La Roche-Posay, Lancôme, L’Oréal Paris, L’Oréal Professionnel, Maybelline NY, Redken, SkinCeuticals, Vichy e Yves Saint Laurent (crédito: reprodução)

Nesta quinta-feira, 23, a L’Oréal Brasil realizará a sua primeira live commerce com marcas das quatro divisões de negócios do grupo: Cosmética Ativa, Luxo, Produtos para Grande Público e Produtos Profissionais. Com apresentação de Dandara Mariana, Jade Seba e Rafa Brites, a SuperLive L’Oréal Brasil será transmitida por meio do site da Época Cosméticos, via StreamShop,  das 17h30 às 21h30 e contemplará mais de 100 produtos das marcas CeraVe, Garnier, Giorgio Armani, Kérastase, La Roche-Posay, Lancôme, L’Oréal Paris, L’Oréal Professionnel, Maybelline NY, Redken, SkinCeuticals, Vichy e Yves Saint Laurent. 

“Com a aceleração digital que estamos vivendo, o formato das live commerces, que são uma grande tendência na Ásia, tem se provado uma pilar estratégico de aceleração das vendas online também no Brasil. Aqui na  L´Oréal Brasil, já testamos e provamos a eficiência do formato com diversas marcas nas nossas quatro unidades de negócio. Ao todo, já fizemos 15 live commerces, e agora vamos unir a força do grupo para realizar a maior Live de Beleza do mercado, com todas as nossas divisões de negócio, todas as nossas categorias de produtos e 13 marcas, nos conectando ainda mais com nossos consumidores através desse modelo dinâmico e inovador“, conta Patricia Borges, CMO da L’Oréal Brasil. 

O Brasil é o terceiro país no ranking de consumidores de live streaming e de acordo com a executiva, a live também tem como objetivo mostrar ao consumidor a força da empresa, e a ambição de se tornar a #1 Beauty Tech do Mundo. E para alcançar esse objetivo, é preciso satisfazer os desejos e necessidades dos consumidores. Uma vez que a digitalização está revolucionando a experiência de compra, tornando-a mais acessível e inclusiva, segundo ela, o futuro da indústria passa pela tecnologia, seja na performance dos produtos, nos serviços e experiências digitais que potencializam o uso dos mesmos, ou também  dos canais através dos quais os consumidores se relacionam com as marcas. 

Hoje o social selling é um dos canais de maior crescimento do e-commerce. Nesse modelo de negócio, o lucro de cada divulgador é diretamente proporcional ao seu engajamento e a sua capacidade de influenciar nas redes sociais. A compra não é feita apenas através de uma empresa ou marca em que se confia, mas também através da recomendação de quem se acredita, neste caso, os influenciadores e experts de beleza. A expectativa do Grupo L’Oréal é que o social selling represente 25% das vendas globais do e-commerce nos próximos anos”, explica Patricia. 

A executiva comenta que o formato foi um dos principais contribuidores para o crescimento e-commerce na L’Oréal e segue sendo uma das prioridades para acelerar o canal em 2021. Em 18 meses, o e-commerce do grupo L’Oréal dobrou o volume de vendas e hoje representa mais de 25% do faturamento global da companhia. Este porcentual já alcançado era a meta a ser atingida em 2025, agora, a nova visão é de que o online represente 50% das vendas do grupo.  

Tendência mundial 

Na L’Oréal China, a companhia tem aproveitado a expertise em live streaming para treinar seus beauty advisors para criarem e publicarem vídeos no TikTok, WeChat e Tmall. Em apenas 11 dias, 2.300 beauty advisors de Lancôme conseguiram se conectar a 350.000 consumidores, gerando centenas de conversões e um aumento de vendas nas lojas online e físicas. Ao traçar um paralelo com o Brasil, que de acordo com a Emarketer 2021, possui 142 milhões de usuários de redes sociais, e assim a CMO diz ver um potencial muito grande para o formato.

“Segundo o Emarketer, somos o terceiro país no ranking de maiores consumidores de Live Streaming do mundo, ficando apenas atrás da Índia e da China. Os brasileiros são experts em acompanhar os trending topics do mundo digital, e frequentemente assistem a lives de influenciadores, que os influenciam a comprar os produtos indicados”, diz a executiva. 

**Crédito da imagem no topo: Nazarkru/iStock

Publicidade

Compartilhe