Show no metaverso fortalece marca da Lab Fantasma, avalia CEO

Buscar
Publicidade

Marketing

Show no metaverso fortalece marca da Lab Fantasma, avalia CEO

Além da apresentação de Emicida no Fortnite, marca lançou 1ª coleção de roupas internacional

Caio Fulgêncio
2 de maio de 2022 - 14h49

Emicida canta alguns sucessos dentro do jogo Fortnite (Crédito: Divulgação)

Um simples play e um marco histórico. Na última sexta-feira, 29, Emicida – em parceria com o Laboratório Fantasma – se tornou o primeiro artista brasileiro a se apresentar no metaverso, mais precisamente na Série Onda Sonora, do Fortnite. Simultaneamente ao show para jogadores do mundo todo, a marca lançou a primeira coleção global de roupas, vendida internacionalmente pelo e-commerce.

Na experiência, ao som de alguns sucessos, como Gueto, Triunfo e Levanta e Anda, o jogador percorre cenários relacionados à trajetória do rapper paulistano. Para Evandro Fióti, co-fundador e CEO da Lab Fantasma, a parceria com a Epic Games é histórica e fortalece a marca, existente há 13 anos no mercado com a proposta de criar narrativas multiplataforma por meio da valorização das vozes periféricas.

“É histórico em vários sentidos. É um show dentro do metaverso produzido por uma empresa 100% brasileira, que veio da periferia, gerida por pessoas negras e com a maioria de negros no seu desenvolvimento. Já estamos no futuro, exportando a cultura brasileira contemporânea através do que há de mais inovador, de um novo jeito, que possivelmente é como o entretenimento vai se expressar nos próximos anos”, comemorou.

Emicida foi o primeiro artista brasileiro a fazer um show no Fortnite (Crédito: Bruno Trindade)

Disruptiva, a Lab Fantasma nasceu em 2009, com o lançamento de uma mixtape de Emicida, irmão de Fióti e sócio da empresa. O CEO ressaltou que, ao projetar Emicida no cenário nacional em um momento de queda na venda de discos, a marca representou um “forte recado” para a indústria fonográfica sobre a necessidade de democratização de acesso.

“Na verdade, quando refletimos sobre o ambiente corporativo brasileiro, pensando também nos feitos da Laboratório Fantasma nos últimos 13 anos, vemos o quanto a não valorização da diversidade e da criatividade dentro dos espaços tradicionais fazem com que o Brasil ainda esteja atrasado”, falou.

No final das contas, segundo Fióti, o que importa é impactar a vida das pessoas. E isso só acontece quando os propósitos estão alinhados. “Infelizmente, poucas pessoas com o nosso fenótipo conseguem superar os obstáculos e chegar a determinados lugares. Não foi fácil chegar até aqui, como não é fácil cotidianamente, mas conseguimos criar uma comunidade que vê valor no que construímos. É isso que as marcas precisam fazer. Quando o nosso propósito de vida se conecta com o propósito da sociedade, conseguimos fazer as coisas com muita verdade”, acrescentou.

Diversidade nas corporações

Fióti afirmou que a pandemia da Covid-19 escancarou ainda mais as desigualdades de classe, raça e gênero no Brasil. Ela também foi uma das responsáveis por intensificar as discussões sobre diversidade nas empresas. Para o CEO da Lab Fantasma, isso foi um fator determinante para que o público consumidor brasileiro – de maioria negra – passasse a cobrar das marcas.

“Acredito que uniu um ativismo muito forte, principalmente das mulheres negras e das populações originárias, que lutam há muito tempo, ficando impossível ignorar esse grito. A análise que eu faço é que houve um avanço muito tímido diante da violência que nossos corpos ainda têm sofrido”, ressaltou.

De acordo com o empresário, é indispensável que haja a valorização da cultura e criatividade da periferia por parte das corporações tradicionais. No entanto, esse movimento não deve acontecer descolado de uma análise aprofundada, para que não ocorra a apropriação de um potencial sem que exista, de fato, a mudança de paradigmas.

“Respeito muito líderes negros que ocupam os espaços nas organizações tradicionais. Isso é fundamental, porque precisamos dessa ponte para parcerias relevantes. Mas, nesse momento, estrategicamente, eu acredito também no empreendedorismo. Criar outras estruturas é um passo primordial na nossa estratégia, construindo outras iniciativas, com outros valores desde o princípio”, finalizou Fióti.

Publicidade

Compartilhe

Veja também