Empresas negam compra de Otima por JCDecaux

Buscar

Mídia

Publicidade

Empresas negam compra de Otima por JCDecaux

Segundo matéria da Folha de S.Paulo, operação de abrigos de ônibus foi negociada por R$ 60 milhões e já estaria no Cade


13 de fevereiro de 2017 - 12h37

Tanto JCDecaux como a Odebrecht Transport, controladora da Otima, negam oficialmente a notícia publicada pela Folha de S.Paulo no sábado, 11, sobre uma provável compra da empresa brasileira pela francesa. A JCDecaux informa que “não comenta rumores de mercado”. Já a operação de abrigos de ônibus afirmou que “a matéria da Folha de S.Paulo não procede. Não há nenhuma negociação fechada.”

O valor da negociação, segundo o texto do jornal, seria de R$ 60 milhões, mais uma dívida de R$ 250 milhões, valor relacionado à concessão onerosa de exploração de mobiliário, conquistado em edital da prefeitura de São Paulo de 2012, no valor de R$ 570 milhões. O contrato prevê a manutenção e venda de mídia por 25 anos de mais de 7 mil abrigos de ônibus e 14 mil totens — a Otima também tem operações no Rio de Janeiro e acordos comerciais em Belo Horizonte. A Folha cita ainda a necessidade de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre o negócio. Ao Meio & Mensagem, o Cade afirmou, em nota, que “não comenta sobre uma operação até que o edital referente ao ato de concentração seja publicado no Diário Oficial da União. Não há edital publicado sobre a operação mencionada.”

Ofertas de compra da Otima vêm sendo especuladas pelo mercado há mais de um ano. A empresa é formada pelo Grupo Bandeirantes, APMR Investimentos, Kalítera Engenharia e Odebrecht TransPort, a acionista majoritária. Negociações teriam desacelerado com o crescimento do envolvimento da incorporadora em apurações da Operação Lava-Jato.

O Meio & Mensagem entrou em contato com a Odebrecht e a Band e aguarda atualizações sobre o assunto.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • outofhome

  • jcdecaux

  • Otima

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”