Oscar 2021 marca a pior audiência da história nos EUA

Buscar

Mídia

Publicidade

Oscar 2021 marca a pior audiência da história nos EUA

Exibição da festa do cinema, realizada pela rede de televisão ABC, atraiu 9,85 milhões de pessoas para a frente da TV, cerca de 50% menos do público do ano passado


27 de abril de 2021 - 10h47

(Crédito: Reprodução)

A edição de 2021 do Oscar foi a menos assistida da história nos Estados Unidos. Embora a 93ª edição da premiação do cinema tenha sido marcada pela maior diversidade nas indicações, o interesse do público foi bem mais baixo do que nos anos anteriores.

Nos Estados, a exibição da cerimônia foi assistida por 9,85 milhões de pessoas, de acordo com dados prévios divulgados pela Nielsen. Essa foi a audiência mais baixa do Oscar desde quando a premiação começou a ser exibida pela televisão, em 1950.

Embora esses índices de audiência possa ser um pouco maior após a consolidação dos dados de audiência pela Nielsen, certamente o desempenho da premiação de cinema deste ano deve ficar 50% menor do que a audiência registrada no Oscar 2020.

Os anunciantes da cerimônia, provavelmente, sabiam que essa queda no desempenho poderia acontecer. Neste ano, as transmissões televisivas de outras premiações, como Grammy e Globo de Ouro, já haviam registrado quedas expressivas de audiência na comparação com anos anteriores.

A audiência do Oscar já vinha sofrendo uma queda nas últimas edições. No ano passado, a cerimônia atraiu 23,6 milhões de espectadores, o que lhe confere, agora, o segundo pior desempenho da história, perdendo apenas para a edição de 2021.

A expectativa de uma audiência mais baixa já tinha se refletido nos valores cobrados pela ABC, rede de TV dos Estados Unidos que exibiu o Oscar. Para este ano, a emissora cobrou cerca de US$ 2 milhões por cada intervalo comercial de 30 segundos, segundo pessoas próximas das negociações. No ano passado, o preço por cada intervalo comercial variou de US$ 2,4 milhões a US$ 2,6 milhões.

A possibilidade de contar com um público menor, no entanto, não afastou os anunciantes, que continuaram apostando na relevância da premiação e nas transmissões de TV que, embora com menor audiência, continuam figurando entre os eventos mais vistos pelo público. Antes do Oscar, a ABC anunciou que havia vendido todos os espaços publicitários disponíveis para a transmissão, graças, sobretudo, ao interesse dos anunciantes que haviam escolhido aparecer na cerimônia pela primeira vez.

Ao mesmo tempo em que grandes marcas que patrocinaram o Oscar no ano passado não repetiram o investimento em 2021 (como Microsoft, Indeed e Molson Coors), outras garantiram presença, como Verizon, Cadillac, AARP, Corona, M&Ms, Airbnb e Greyy Goose.

Com informações do Advertising Age

Publicidade

Compartilhe