Autoridades antitruste acusam Facebook de monopólio

Buscar
Publicidade

Mídia

Autoridades antitruste acusam Facebook de monopólio

Comissão Federal de Comércio dos EUA alega que a empresa comprou Instagram e WhatsApp para eliminá-los como concorrentes


19 de agosto de 2021 - 17h19

Por Advertising Age

Nesta quinta-feira, 19, autoridades antitruste dos Estados Unidos apresentaram um processo de monopólio contra o Facebook Inc., buscando salvar um caso que um juiz rejeitou em junho. A Comissão Federal de Comércio, que atende pelo nome Federal Trade Comission e a sigla FTC, apresentou a nova queixa no tribunal federal de Washington, alegando que o Facebook violou leis antitruste ao comprar o Instagram e o WhatsApp para eliminá-los como concorrentes.

 

(Crédito: Luca Sammarco/Pexels)

A agência está tentando reviver o caso depois que o juiz distrital dos EUA, James Boasberg, o rejeitou, dizendo que a agência falhou em fornecer detalhes suficientes para apoiar sua alegação de que o Facebook tem um monopólio no mercado de mídia social. Boasberg deu à FTC 30 dias para corrigir o erro e rearquivar, e a comissão ganhou uma prorrogação até 19 de agosto.

O caso do Facebook, arquivado pela primeira vez em dezembro, representa um teste para a presidente da FTC, Lina Khan, que foi nomeada chefe da agência em junho pelo presidente Joe Biden. Khan é uma das principais defensoras de tomar uma posição antitruste mais contundente contra as empresas e já está tomando medidas para reforçar a autoridade da agência.

O Facebook está buscando impedir Khan de participar do caso, argumentando que sua escrita acadêmica sobre a empresa e seu trabalho no painel antitruste da Câmara, que investigou o Facebook e outras plataformas tecnológicas, mostrou que ela é tendenciosa.

A ação judicial é parte de um amplo esforço de legisladores para controlar o poder das maiores empresas de tecnologia dos EUA. Além do caso do Facebook, o Departamento de Justiça e procuradores gerais do estado em todo o país têm vários processos pendentes contra o Google, enquanto democratas e republicanos no Capitólio estão avançando com uma série de projetos de lei que imporiam novas restrições sobre como as empresas fazem negócios.

Estados esperaram muito tempo
Apoiadores do processo no Facebook disseram que a decisão de Boasberg ilustrava as barreiras legais que o governo enfrenta ao trazer casos de monopólio. Defensores da reforma dizem que, ao longo de décadas, as decisões judiciais permitiram efetivamente que as empresas dominantes se engajassem em táticas anticompetitivas e que o Congresso deve dar aos executores uma nova autoridade.

Boasberg não só jogou fora o caso da FTC. Ele também rejeitou um caso paralelo por procuradores gerais liderados por Nova York, sem lhes dar a oportunidade de tentar novamente. O juiz disse que os estados esperaram muito tempo para contestar as aquisições do Facebook. O Facebook comprou o Instagram em 2012 e o WhatsApp em 2014. A doutrina legal aplicada aos Estados não se aplica à FTC.

Boasberg também restringiu o caso da FTC. Além de tentar desenrolar os dois acordos, a FTC disse que o Facebook tentou frustrar a concorrência, permitindo que apenas aplicativos de terceiros se conectassem à sua plataforma com a condição de que eles não compitam contra o Facebook e não se conectem com outras redes sociais.

A FTC argumentou que a política impediu que os aplicativos oferecessem recursos que pudessem competir com o Facebook e impediu que aplicativos promissores evoluíssem para concorrentes que poderiam ameaçar o monopólio do Facebook. Boasberg rejeitou essa parte do caso da FTC. O juiz escreveu que, de acordo com a lei antitruste existente estabelecida pelos tribunais, as empresas não têm a obrigação de fazer negócios com outras empresas e podem “recusar-se a negociar” até mesmo para impedir que um rival concorra.

“Um monopolista não tem o dever de lidar com seus concorrentes, e uma recusa em fazê-lo é geralmente legal”, escreveu Boasberg. “A FTC, portanto, não pode chegar a lugar nenhum reenquadrando a adoção do Facebook de uma política de se recusar a lidar com todos os concorrentes como a execução de um esquema ilegal de manutenção do monopólio”, argumentou.

**Crédito da imagem no topo: Muhla1/iStock

Publicidade

Compartilhe

Veja também