Maioria das mães não se sente representada pelas marcas

Buscar

Últimas notícias

Publicidade

Maioria das mães não se sente representada pelas marcas

Pesquisa feita pelo Baby Center Research mostra que apenas 15% das mulheres que têm filhos acham que a propaganda as retrata de forma real


7 de maio de 2018 - 15h19

(Crédito: Fotolia)

A época que precede o Dia das Mães é um dos períodos mais agitados para a publicidade. De olho nas verbas dos filhos que não deixarão a data passar sem a compra de um agrado para a mãe, a maioria das marcas promove campanhas, ações, promoções e outras abordagens de marketing especiais para aproveitar o afeto entre mães e filhos para gerar negócios. Será que essas mulheres, contudo, são realmente representadas pela propaganda e comerciais realizados no Brasil e no mundo?

Na tentativa de responder essa pergunta, o Baby Center — representado pelo portal Minha Vida no Brasil —, realizou uma pesquisa internacional para analisar como as mães se veem representadas pelas campanhas. E o resultado mostrou que as marcas não estão conseguindo representar a maternidade de forma realista.

De acordo com o estudo, denominado “Mind the Gap – The Global Disconnect Between Moms and Marketeres”, apenas 19% das mulheres que estão grávidas acreditam que a propaganda as representam de uma forma condizente com a realidade. Já entre as mães, a taxa de satisfação com a propaganda é ainda menor: apenas 15% das mulheres de todo o mundo que têm filhos acreditam que os comerciais as representam de forma adequada.

No Brasil, em especial, chamou a atenção um recorte que mostra as características dessas mulheres evidenciadas nos comerciais. De acordo com a pesquisa, 56% das gestantes ou mães brasileiras acreditam ser sempre retratadas como ansiosas nos comerciais direcionados a elas.

Um ponto da pesquisa, no entanto, serve como positivo para as marcas que queiram se engajar com as mães de forma verdadeira. O estudo mostrou três em cada cinco mães promovem o diálogo e defendem uma marca quando se sentem representadas por ela.

O estudo foi realizado com mais de 4800 mulheres dos Estados Unidos, Reino Unido, Brasil, Canadá, Índia, Alemanha e Oriente Médio.

Publicidade

Compartilhe

Comente