Bradesco lidera lista de queixas do Procon

Buscar

Bradesco lidera lista de queixas do Procon

Buscar
Publicidade

Marketing

Bradesco lidera lista de queixas do Procon

B2W pula da 21ª para a 2ª posição em reclamações fundamentadas no ranking anual divulgado pela fundação


15 de abril de 2012 - 12h47

 A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon –SP) divulgou nesta terça-feira 15 – Dia Internacional dos Direitos do Consumidor – o cadastro de reclamações fundamentadas em 2011 e o ranking online das 50 empresas que mais geram queixas.

O banco Bradesco lidera a lista com 1.723 reclamações. A empresa de e-commerce B2W, que controla Americanas.com, Submarino e Shoptime, ocupa a segunda posição, com 1.574 reclamações, seguida do banco Itaú Unibanco, com 1.383. A B2W, por sinal, teve as vendas paralisadas nesta semana pelo próprio Procon, mas conseguiu uma liminar para voltar a operar. Leia mais aqui e aqui.

LG Eletronics e TIM ficaram na quarta e quinta colocações com 1.164 e 937 reclamações, respectivamente. Nos últimos cinco anos, a Telefônica vinha liderando o ranking, mas em 2011 a empresa caiu para a sexta posição com 835 reclamações.

A lista contém apenas reclamações fundamentadas, ou seja, demandas de consumidores que não foram solucionadas, sendo necessária a abertura de processo administrativo para serem trabalhadas pelo órgão junto aos fornecedores.

O total de atendimentos para consultas, orientações e queixas no ano passado pelo Procon-SP foi de 727.229, aumento de 15% em relação ao registrado em 2010. Deste total, apenas 33.401 (4,59%) transformaram-se em reclamações fundamentadas.

Além da lista das “dez mais”, o Procon lançou um ranking online indicando, em tempo real, as 30 empresas que mais estão gerando reclamações e apontando os índices de solução desses casos. O ranking está disponível no site do Procon.

Setores na berlinda

Em 2011, a área de produtos (móveis, eletrônicos e vestuário, dentre outros) foi a que registrou o maior número de reclamações fundamentadas (37%); seguida por assuntos financeiros (bancos, seguradoras e financeiras), com 28%; e serviços essenciais (telecomunicações, energia elétrica e saneamento básico, dentre outros), com 17%.

O destaque negativo ficou com os atendimentos em relação às compras feitas pela internet, o que inclui sites de compras coletivas. Em comparação com o ano de 2010, houve um aumento de 86% nas queixas, principalmente sobre a falta de entrega e defeitos nos produtos adquiridos.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Marcas de moda e beleza lideram investimentos em creators

    Marcas de moda e beleza lideram investimentos em creators

    Levantamento da BrandLovrs indica que mais da metade das campanhas com criadores de conteúdo da plataforma são realizadas por marcas de moda e beleza

  • Petlove questiona práticas do mercado pet em vídeo

    Petlove questiona práticas do mercado pet em vídeo

    Movimento “Petlove não vende” quer acabar com qualquer tipo de comercialização nociva ao bem-estar dos animais