Criticada na internet, Bombril deixa de comercializar esponja

Buscar

Criticada na internet, Bombril deixa de comercializar esponja

Buscar
Publicidade

Marketing

Criticada na internet, Bombril deixa de comercializar esponja

Com o nome de "Krespinha", item gerou críticas de racismo à marca; empresa pede desculpas e anuncia que não comercializará mais o produto


17 de junho de 2020 - 14h35

Usuários do Twitter compararam a peça promocional da esponja, na década de 1950, ao relançamento do produto, feito pela Bombril (Crédito/ Reprodução)

Atualizada às 16h18

Ao longo da manhã desta quarta-feira, 17, a hashtag #BombrilRacista apareceu entre os termos mais postados no Twitter. O motivo foi o relançamento de uma esponja de inox chamada “Krespinha”, o que fez com que a marca fosse apontada como racista.

Os comentários fizeram a empresa retirar o produto do catálogo de seu site oficial ainda na manhã desta quarta-feira. O lançamento é uma releitura de uma esponja de inox lançada na década de 1950, que também tinha o nome de “Krespinha” e usava como ilustração a imagem de uma garotinha negra. A alusão pejorativa do cabelo crespo ao produto de limpeza motivou diversas críticas à empresa.

Às 16h desta quarta-feira, 17, a Bombril publicou em suas redes sociais um posicionamento sobre o assunto informando que decidiu retirar a “Krespinha” de seu portfólio de produtos. A empresa esclarece que não se tratava de relançamento, mas sim de um produto que fazia parte da lista de produtos da companhia há 70 anos, fato que, segundo a empresa, não diminui sua responsabilidade. Veja, abaixo, o comunicado na íntegra:

 

(Crédito: Reprodução/Twitter)

 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Com 36 ilustrações diferentes de personagens nas latas de refrigerante, os consumidores poderão ter a experiência de realidade aumentada

  • Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Estudo da MindMiners revelou que a tendência de mudança de comportamento está relacionada a fatores como falta de interesse e sabor das bebidas