Kopenhagen perde marca Língua de Gato para Cacau Show

Buscar

Kopenhagen perde marca Língua de Gato para Cacau Show

Buscar
Publicidade

Marketing

Kopenhagen perde marca Língua de Gato para Cacau Show

A decisão foi tomada pela juíza Laura Bastos Carvalho, da 12ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro


3 de julho de 2024 - 12h55

*Atualizada às 17h07

A Nibs Participações Ltda, controladora da Chocolates Brasil Cacau, do grupo Kopenhagen, perdeu a exclusividade do uso da expressão “Língua de Gato”, em disputa judicial com a Allshow Empreendimentos e Participações Ltda, uma das controladoras da Cacau Show.

língua de gato Kopenhagen

A Kopenhagen explora o termo “língua de gato” desde 1940 (Crédito: Reprodução)

A decisão da ação protocolada pela Allshow foi tomada pela juíza Laura Bastos Carvalho, da 12ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro, na segunda-feira, 1º de julho, a respeito de dois registros da marca “língua de gato” feitos pela Nibs em 2016.

A alegação da controladora da Cacau Show, aceita pela magistrada, é que embora os registros no Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (Inpi) sejam legais, não poderiam ser concedidos a uma só empresa, visto que a expressão é usada no mundo todo para denominar o chocolate alongado em formato de uma língua de gato.

Em sua decisão, a juíza considerou que a Kopenhagen não demonstrou o caráter único da marca ao registrá-la no Inpi. “Ficou comprovado que a expressão língua de gato’ é de uso comum para designar chocolates em formato oblongo e achatado”, escreveu.

No processo, a controladora da Cacau Show alegou que a expressão foi criada em 1892 e deriva de um termo em alemão, comumente usado por fabricantes estrangeiros. A empresa ainda afirmou que a Nibs vinha tomando medidas judiciais contra concorrentes que lançam produtos similares.

Em nota, Fábio Leme, sócio da Daniel Advogados e representante legal da AllShow, autora da ação anulatória, afirmou que a expressão constitui o próprio nome do produto, nesse exato formato, e que “língua de gato” não é uma marca. “Essa decisão reforça a importância de se manter atenção às decisões do INPI, evitando distorções buscadas pelos particulares e, assim, garantindo a justiça no mercado”, complementou.

O advogado ainda ressaltou que a decisão é um passo crucial para assegurar um mercado mais justo e competitivo. “É fundamental, ainda, que os particulares tenham clareza sobre a impossibilidade de se apropriar de termos genéricos que pertencem ao domínio público”, concluiu.

Em sua defesa, a Nibs, do Grupo Kopenhagen, alegou que o uso de uma expressão comum em outros países não significa que ela tenha caráter genérico em outro lugar, como no Brasil. A empresa ainda enfatizou que a expressão nunca foi de uso comum no Brasil e que a marca Kopenhagen explora o termo desde 1940.

“O uso indevido da marca por terceiros concorrentes denota não a sua natureza comum ou vulgar, mas justamente a intenção parasitária de seus concorrentes em tentar associar seus produtos aos produtos da Kopenhagen”, afirmou a companhia à Justiça. A companhia ainda ressaltou que vem adotando medidas judiciais e extrajudiciais para assegurar a exclusividade da marca.

A empresa lidada à Kopenhagen ainda alegou que o uso exclusivo da marca “língua de gato”, equivaleria a permitir que outras companhias, como Garoto e Lacta deixassem que outras empresas pudessem comercializar os nomes Baton e Diamante Negro, respectivamente.

Segundo a Nibs, a disputa entre as empresas teve início após a Cacau Show anunciar que lançaria o Panetone Miau, com a descrição: “Panettone Clássico com chocolate ao leite em formato de língua de gato”, o que, para Nibs, comprova que a Cacau Show quer se aproveitar da história de sucesso da marca.

Entretanto, na visão da juíza, essa alegação da Kopenhagen não é correta, uma vez que os chocolates em tal formato são popularmente comercializados no mundo desde o século XIX.

Procurada pela reportagem, a Kopenhagen informou que, devido ao processo judicial ainda estar em andamento, não pode fornecer mais detalhes no momento. “Ressaltamos apenas se tratar de uma decisão de primeira instância e que ainda há um longo percurso jurídico a ser seguido até a conclusão, estando a empresa convicta de que essa decisão será revertida”, enfatizou a empresa, em nota.

A Kopenhagen ainda ressaltou que, até que todo o processo seja concluído, segue sendo a única detentora da marca “Língua de Gato” e a única com direito legal de comercializar produtos sob esse registro.

 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Apple, CeraVe e State Farm: os indicados ao Emmy 2024 de melhor comercial

    Apple, CeraVe e State Farm: os indicados ao Emmy 2024 de melhor comercial

    Uber One e Sandy Hook Promise também têm vagas na lista deste ano

  • Huggies ingressa na categoria de produtos infantis para cabelos

    Huggies ingressa na categoria de produtos infantis para cabelos

    Brasil será o primeiro País da América Latina a receber os produtos da linha, que apresenta as versões Cachinhos Poderosos, Brilho Mágico e Nutrição & Força