O efeito agridoce da Covid-19 sobre o setor de alimentos

Buscar

O efeito agridoce da Covid-19 sobre o setor de alimentos

Buscar
Publicidade

Marketing

O efeito agridoce da Covid-19 sobre o setor de alimentos

Enquanto vendas no varejo cresceram 20%, food service, restrito aos deliveries, despencou até 70%


19 de maio de 2020 - 6h00

Vendas de alimentos em super e hipermercados registraram alta de 20% durante a pandemia, segundo a Abia (Crédito: Vera Petrunina/ iStock)

Se há um setor que possa ser chamado de essencial é o de alimentação. Tanto que esta foi uma das indústrias com carta branca para continuar produzindo e comercializando seus produtos desde que governos começaram a impor restrições à atividade produtiva na pandemia. Mas a Covid-19 também foi um ingrediente novo para a área e teve seus reflexos.

João Dornellas, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), afirma que foram dois os efeitos sobre o setor, o crescimento de 20% nas vendas do varejo alimentar (supermercados/hipermercados) para a formação estoque nos domicílios e, por outro lado, quedas superiores a 70% nas vendas de refeições pelo food service, com o fechamento da maioria dos estabelecimentos, que passaram a atuar somente por meio de delivery.

Em 2019, o setor, incluindo bebidas e somando exportação e mercado interno, registrou crescimento de 6,7% no faturamento sobre 2018, o que representou 9,6% do PIB – este, de R$ 7,3 trilhões, segundo o IBGE. Já sobre como será 2020, Dornellas recomenda esperar mais para saber: “Ainda é cedo para mensurar a movimentação do mercado; teremos uma noção mais perto da realidade em meados de julho/agosto”, afirma. O que ele garante, no entanto, é que o País não corre qualquer risco de desabastecimento. Mas pede mobilização do poder público para ajudar a minimizar impactos de emprego e renda, assim como apoiar micro e pequenos empresários (80% do foodservice, segundo a Abia, e que representam mais de 30% das vendas da indústria).

Do refinado ao mais prático

As empresas do segmento intensificaram suas iniciativas de e-commerce e analisam que o comportamento do consumidor tem oscilado entre a busca por praticidade e conveniência, especialmente por quem, no home office, não está muito acostumado a encarar o fogão, e, de outro, pelo movimento oposto, ou seja, dos que estando mais tempo em casa têm ousado e buscado aprender pratos mais elaborados.

A origem dos alimentos e a responsabilidade social das empresas continuam sendo tendências acompanhadas e cobradas pelos consumidores, que também têm colocado na cesta de compras os itens de indulgência para espantar algum eventual baixo-astral na quarentena.

Durante a pandemia, a Nestlé registrou alta em produtos como leites, cereais, nutrição infantil e cafés. Frank Pflaumer, vice-presidente de comunicação e marketing da companhia conta que a plataforma Receitas Nestlé tem registrado recorde de visitas e engajamento e comenta os resultados de investimentos iniciados há dois anos no processo de transformação digital da empresa: “Isso nos possibilitou crescer 79% em vendas digitais no primeiro trimestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado”, afirma. O crescimento é maior que a média global, de 29%.

“Notamos a necessidade de fortalecer nossa presença no meio digital no e-commerce dos varejistas e temos estudado as melhores práticas para explorar esse universo. Adaptamos as comunicações das marcas para que todas estivessem na internet, que é o universo atual do consumidor”, afirma, também Christina Larroudé, diretora de marketing da Camil, que criou uma linha Gourmet para quem tem investido em sofisticar a alimentação em casa. No marketing, a marca se associou ao Panelinha, site da chef Rita Lobo.

No campo do quanto mais prático melhor atuam empresas como a PepsiCo Brasil Alimentos, M. Dias Branco e BRF. Isso não quer dizer, no entanto, que os consumidores não estejam exigentes, em relação a ingredientes e teor nutricional. Tanto que eQlibri Pipoca, snack cujo lançamento está sendo retomado pela PepsiCo, com comunicação 100% digital e em parceria com marketplaces como o do Pão de Açúcar tem menos de 100 calorias, para atender esse tipo de demanda.  Dos produtos já em linha, tiveram mais crescimento, segundo Daniela Cachich, vice-presidente de marketing da PepsiCo itens para o café da manhã (a exemplo do que aconteceu com a Nestlé), entre os quais aveia Quaker, achocolatado Toddy e biscoitos Mabel. “Equação de valor é e será cada vez mais valorizada pelo consumidor e essa estratégia se mostrou bastante acertada”, afirma Cachich, em relação à diversificação de tamanhos de embalagens, desembolsos e ocasiões de consumo praticada desde o ano passado para o segmento de snacks. Para a executiva, o modo de trabalho neste momento é analisar cenários semana a semana e atuar em sistema de “progress over perfection”.

BRF e M. Dias Branco cujos departamentos de marketing são liderados, respectivamente, pelos diretores Marcelo Suárez e Fábio Melo, ressaltam a importância, num momento como o atual, em que o consumidor está inseguro, que ele possa contar com marcas tradicionais, com as quais já convivia, e que associe a qualidade e segurança. Suárez, da BRF – dona de Qualy, Sadia e Perdigão – conta que enquanto as incursões de novos “chefs” fizeram aumentar o consumo de margarina, por outro lado, a praticidade e conveniência elevaram outras categorias, como congelados (31%) e frios (25%). Juntas, Sadia e Perdigão têm 43% da preferência no mercado de alimentos e, em margarinas, Qualy chega a 55%.  “Essas marcas têm estatura e vínculo forte com os consumidores, seja porque eles conhecem os atributos que a própria comunicação explora ou pelo convívio, já que nove de dez lares no Brasil têm um produto BRF”, destaca Suárez.

Depois de campanhas em TV, para Sadia e Perdigão, que incentivavam as pessoas a ficarem em casa no início da recomendação de isolamento social, a BRF reforçou as ações em digital, como em parceria da Sadia com o Tastemade Brasil ou a distribuição de conteúdos feitos por seus 20 chefs internos – agora gravando em suas casas – entre os hubs de suas principais marcas em plataformas digitais e redes sociais.

“Pela liderança em boa parte do País com marcas tradicionais e fortes em suas respectivas regiões, estamos muito bem posicionados”, afirma Fábio Melo, por seu turno. A M. Dias Branco percebeu crescimento justamente nas categorias em que já afirmava ser líder: massas e biscoitos, embora seja forte regionalmente com marcas em categorias tais quais margarinas, farinhas e bolos.

Com uma área digital e o time de desenvolvimento de novos canais da área comercial, o marketing da M. Dias Branco tem ajudado a traçar estratégias para vendas online e explorar parcerias como uma feita com o Rappi para a venda de itens das marcas Piraquê, Adria e Vitarella, Treloso, Richester D-Tone.

Comfort food

Outro ponto ressaltado pelas marcas do setor de alimentação é a comida como fator de indulgência. No caso de quem está há meses confinado em casa, alguns tipos de produtos chegam a ser entretenimento. “Nesses momentos de incertezas, as pessoas buscam mais ‘comfort food’, os alimentos que despertam emoções positivas através do paladar”, nota Renata Vieira, diretora de inovação e experiência da Mondelez Brasil. Entre outras marcas, a empresa tem em seu portfólio Trident, Lacta, Oreo e Toblerone.

Aprendizados sobre o potencial do e-commerce, que foram adquiridos na marra na Páscoa deste ano, quando colocou no ar uma loja online em dois dias, continuam a ser explorados pela Mondelez, que realizou parcerias inéditas com Rappi e Uber Eats para oferecer seus produtos. A comunicação também tem sido adaptada ao momento sensível e para respeitar as orientações de isolamento social.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Cade aprova a compra do Playcenter pela Cacau Show

    Cade aprova a compra do Playcenter pela Cacau Show

    Rede de chocolates adquiriu a empresa de entretenimento com o foco de ingressar no setor de experiências

  • Vult entra no segmento de produtos para cabelos

    Vult entra no segmento de produtos para cabelos

    Marca de beleza amplia atuação, colocando no mercado mais de 50 diferentes produtos para contemplar a diversidade brasileira